Relação entre Freud e Jung é dissecada em novo filme de Cronenberg

- Crédito: Divulgação/Imdb

Enquanto Sigmund Freud e Carl Jung tentavam descobrir as melhores técnicas para revelar o relutante subconsciente de pacientes perturbados, Sabina Spielrein surge no consultório de Jung.

Esse é o momento da vida dos dois grandes médicos que o diretor David Cronenberg (de "Senhores do Crime" e "Videodrome") retrata em "Um Método Perigoso", que está em cartaz nos cinemas de São Paulo.

Sabina (Keira Knightley) é russa, judia e sofre de histeria. No início do século 20, ela é enviada para Zurique, onde é tratada por Jung (Michael Fassbender, também em cartaz em "Shame").

Apesar de ainda não conhecer Freud (Viggo Mortensen) pessoalmente, Jung trata Sabina com o método da cura por meio da fala, proposta pelo médico.

Viggo Mortensen interpreta Sigmund Freud e Michael Fassbender é Carl Jung em novo filme dirigido por David Cronenberg
- Crédito: Divulgação

O filme de Cronenberg discute a sexualidade e percorre as conexões entre esses três personagens.

A ligação que Freud tem com Jung é quase paternal. O veterano médico escolhe o jovem analista para ser seu herdeiro. Ao longo do filme, porém, ele passa a ser, aos olhos de Freud, um rebelde, cujas ideias são ameaçadas pela sua tendência ao misticismo.

Sabina, de paciente, transforma-se em amante e, por fim, colega de profissão de Jung. Já com Freud, ela nutre uma espécie de afinidade intelectual.

Informe-se sobre o filme


Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais