Descrição de chapéu Cinema
Cinema

Melhores de 2018: confira os filmes nacionais, estrangeiros e blockbusters eleitos pelo júri

Lady Gaga, Marvel e dupla de diretores mineiros foram destaques do ano no cinema

São Paulo

Já é tradição no fim do ano. Mais uma vez, o Guia elege os principais destaques da temporada em diferentes categorias, tanto na cena cultural como na gastronômica. É uma forma também de rever 2018 e notar que muita coisa boa passou por cinemas, museus, palcos, cozinhas e balcões da cidade.

Na escolha do melhor filme estrangeiro, foi difícil chegar a um consenso: apenas três títulos foram votados mais de uma vez. Dessa forma, o pódio foi formado por "Trama Fantasma", de Paul Thomas Anderson (cinco pontos), "Museu", de Alonso Ruizpalacios (quatro pontos), e "Me Chame pelo Seu Nome", de Luca Guadagnino (quatro pontos).

A categoria nacional, por outro lado, ficou mais homogênea, com "Arábia", de João Dumans e Affonso Uchôa, sendo escolhido em primeiro lugar por quatro dos cinco jurados —terminou a corrida com 13 pontos de 15 possíveis. Em seguida, apareceram "Café com Canela", de Glenda Nicácio e Ary Rosa (quatro pontos), e o documentário "Ex-Pajé", de Luiz Bolognesi (quatro pontos).

Entre os blockbuster, houve disputa pelo primeiro lugar: "Missão: Impossível - Efeito Fallout", de Christopher  McQuarrie, foi apontado como o grande destaque de 2018 por dois convidados, assim como "Vingadores: Guerra Infinita", de Anthony Russo e Joe Russo. No fim, a saga estrelada por Tom Cruise levou vantagem, com dez pontos contra sete do longa da Marvel. O terceiro lugar ficou com "Bohemian Rhapsody", de Bryan Singer (três pontos).

De acordo com os eleitores da internet, no entanto, os rankings de melhores filmes do ano deveriam ter sido bem diferentes. Na votação popular, levaram a melhor "Nasce uma Estrela", de Bradley Cooper (melhor filme estrangeiro; 179 votos), "Tinta Bruta", de Filipe Matzembacher e Marcio Reolon (melhor filme nacional; 296 votos), e "Bohemian Rhapsody" (melhor blockbuster; 362 votos).

​Confira abaixo os escolhidos do júri especializado e a justificativa de cada convidado.

 

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

  • Estavam elegíveis os filmes com data de estreia entre 7/12/2017 e 6/12/2018. 
  • Foram escolhidos cinco jurados para cada categoria.
  • Cada integrante do júri elegeu três destaques em ordem de preferência.
  • Foram atribuídos pontos para cada voto da seguinte maneira:

1º lugar - 3 pontos
2º lugar - 2 pontos
3º lugar - 1 ponto

Em caso de empate no número de pontos, vence quem teve votos mais qualificados. Por exemplo, uma indicação em primeiro lugar (3 pontos) vale mais que uma indicação em segundo somada a outra em terceiro lugar (os mesmos 3 pontos); uma indicação em primeiro lugar somada a uma em terceiro lugar (4 pontos) fica na frente de dois segundos lugares (os mesmos 4 pontos).

 

MELHOR FILME NACIONAL

Cássio Starling Carlos
crítico de cinema

1) Arábia 
Dá voz e corpo ao homem comum e contraria a vontade da nova ordem de apagá-lo.

2) O Processo
Demonstra, atualizando Kafka, como a democracia nada pode diante do poder.

3) O Animal Cordial
O feroz longa de estreia de Gabriela Amaral usa o gênero para mostrar o brasileiro que não aparece no espelho.


Chico Fireman
jornalista e crítico de cinema

1) Arábia 
O manifesto poético-político do ano.

2) As Boas Maneiras 
Abraça o cinema de gênero para falar das discussões do momento.

3) Café com Canela
Filme generoso, mas que se desafia sem afetação.


Inácio Araújo
crítico de cinema

1) Arábia
Minas trabalha em silêncio, com elegância e ternura.

2) A Moça do Calendário
Helena Ignez cada vez mais Helena Ignez.

3) As Boas Maneiras 
Horror preto no branco.


Lúcia Monteiro
crítica de cinema

1) Café com Canela 
Através de duas histórias de luto com mulheres negras, traz um tom original para o recôncavo baiano.

2) Ex-Pajé 
Mostra com sensibilidade o embate entre as tradições indígenas e o avanço da religião evangélica.

3) Arábia
Talvez o filme de maior ambição estética e política da temporada.


Naief Haddad
jornalista da Folha

1) Arábia
O ápice da boa produção recente de Minas.

2) Ex-Pajé
O grande documentário de 2018.

3) Paraíso Perdido
Popular e sofisticado.

 

MELHOR FILME ESTRANGEIRO


Andrea Ormond
crítica e curadora

1) Em Chamas 
No mundo com excesso de imagens, muita calma ao contemplar a perversidade.

2) A Noite Devorou o Mundo 
A mitologia dos zumbis como subterfúgio para tratar de liberdade, solidão e delírio.

3) Me Chame pelo Seu Nome
Epítome de uma adolescência saborosa e amarga.


Bruno Ghetti
jornalista e crítico de cinema

1) A Casa que Jack Construiu
Lars von Trier fala sobre a própria capacidade de transformar pensamentos malignos em arte.

2) Trama Fantasma 
O melhor filme de Paul Thomas Anderson traz uma despedida de Daniel Day-Lewis à altura de seu talento.

3) Eu, Tonya
Mais do que a história de Tonya, fala de sobrevivência em uma sociedade violenta como a americana.


Guilherme Genestreti
repórter de cinema da Ilustrada

1) Museu
Road movie existencial e social, aperitivo ao instigante cinema mexicano.

2) Projeto Flórida
O melhor do cinema indie americano sem os cacos dessa cinematografia.

3) Me Chame pelo Seu Nome 
A lei do desejo.


Sandro Macedo
editor do Guia

1) Trama Fantasma 
Em sua despedida (será?), Day-Lewis entrega mais um personagem memorável.

2) Me Chame pelo Seu Nome 
Dos belos cenários ao roteiro de James Ivory, tudo perfeitamente em seu lugar.

3) Museu 
O cinema mexicano mostra força também fora de Hollywood.


Sérgio Alpendre
crítico de cinema

1) Lumière! A Aventura Começa
Filme-aula que dá conta da poesia dos curtas de Lumière.

2) À Sombra de Duas Mulheres 
A resistência artística de um dos maiores herdeiros da nouvelle vague.

3) The  Post - A Guerra Secreta
O melhor Spielberg em muitos anos, quase um Clint Eastwood.

 

MELHOR BLOCKBUSTER

Leonardo Sanchez
repórter do Guia

1) Missão: Impossível - Efeito Fallout 
Franquia parece não perder o fôlego e surpreende a cada novo filme.

2) Star Wars: Os Últimos Jedi 
Personagens carismáticos, tom político e um duelo impecável preservam encantamento da saga.

3) Podres de Ricos
A farofa romântica que bem lá no fundo todos amam; mas, desta vez, com originalidade e muita pompa.

 

Marcelo Hessel
jornalista do site Omelete

1) Vingadores: Guerra Infinita
Leva ao paroxismo o playground de action figures desenvolvido desde ‘Os Vingadores’.

2) Missão: Impossível - Efeito Fallout 
Cruise e McQuarrie é a grande parceria hollywoodiana desta década.

3) Pantera Negra
Consagra como fenômeno pop os movimentos que a Marvel fez nas HQs nos anos 2010.

 

Roberto Sadovski
jornalista e autor do Blog do Sadovski

1) Vingadores: Guerra Infinita
Os Russo redefiniram o épico em um filme que não economiza em intensidade nem sacrifica dilemas.

2) Missão: Impossível - Efeito Fallout
Tom Cruise entrega ação de forma consistente há duas décadas.

3) Halloween 
O assassino que deu origem ao slasher volta em um terror antenado aos novos  tempos, mostrando o poder da mulher.


Rodrigo Salem
colaborador da Folha em Los Angeles

1) Missão: Impossível - Efeito Fallout 
Cruise mostra como se faz um grande filme de ação sem apelar para muitos efeitos.

2) Pantera Negra
Ryan Coogler amplia os horizontes da Marvel com estilo e prova que diversidade é pop.

3) Vingadores: Guerra Infinita 
Controlar vários personagens e entregar um ótimo vilão em um filme compreensível? Só os irmãos Russo.


Thales de Menezes
jornalista e crítico

1) Bohemian Rhapsody 
Tem problemas e imprecisões históricas, mas é muita emoção para qualquer fã de rock.

2) Venom 
Mostrou que é possível mudar elementos originais de uma HQ e fazer uma aventura divertida.

3) A Freira
Neste terror old school, uma ótima mocinha vai tomando sustos entre centenas de cruzes.

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais