Onde os DJs dançam: um roteiro das festas favoritas dos melhores disc-jóqueis de SP



A noite de São Paulo nunca termina. Mas mudou muito nos últimos anos. Os clubes, que tinham frequentadores assíduos independentemente da programação, perderam um tanto de seu protagonismo para as festas –muitas delas sem endereço fixo ou que acontecem na rua.

O que não muda é o foco no DJ, figura que personifica a balada e garante o sucesso (ou fracasso) da pista. Mas onde dançam os disc-jóqueis quando não estão no comando das pick-ups? O "Guia" perguntou para 30 DJs da cena paulistana que festas ou clubes eles frequentam na cidade.

No grupo, há DJs que marcaram várias gerações, como Sonia Abreu (primeira mulher a assumir os toca-discos no país), Cinara, que ganhou prêmio de melhor DJ do ​Women's Music Event, Mau Mau, que faz 30 anos de carreira, e o badalado duo Tropkillaz.

Entre as 18 festas e sete clubes citados, se destacam as baladas itinerantes Carlos Capslock e Amem e a pistinha do Boteco Pratododia. Eletrônica, brasilidades, hip-hop, pop, dub... Há opções para baladeiro nenhum ter desculpa para não se jogar.

PODE PEDIR MÚSICA PARA O DJ?

Flávia Durante: "Desde que o pedido seja feito com educação. Enfiar papelzinho ou celular piscando na cara do DJ é uó!"

Gabriela Pensanuvem: "É muito desanimador. Pra dar play no Spotify, melhor ficar debaixo do lençol"

Mari Pinheiro: "A gente está ali trabalhando, sugestão é de boa, mas não vem com grosseria"

Marina Diniz: "Não há problema algum, contanto que seja coerente com o set que o DJ está fazendo e com o tipo de festa"

Rodrigo Bento: "Gosto quando me pedem música. É uma maneira de me conectar com outras possibilidades"

Tutu Moraes: "As pessoas precisam aprender a lidar com seus autoritarismos e embarcar no repertório do profissional que está ali fazendo uma narrativa musical"


Akin, do coletivo Metanol, indica a festa Existe Pista Após a Morte? 
"
Uma das que cumpre em muitos pontos meu interesse por dança e mapeamento de uma cena local, uma indagação provocativa do músico Carlos Issa. O evento faz algumas temporadas no Lourdes. Sempre há espaço pro inesperado, gutural e dançante. Vale um mergulho fora da rotina" 
O Lourdes - r.  da Consolação, 247. ​Facebook.com/existepistaaposamorte

Ale Marcely, produtora e residente da Valentina, indica a festa On the Rocks 
"A festa acontece às segundas, então eu sempre ia sozinha, já que quase ninguém podia sair durante a semana. O legal é que, por conta disso, fiz um grupo de amigos diferente. Eu gosto de rock, não só indie, e lá é uma das poucas noites que tocam variações do gênero" 
Pax - al. Olga, 215, Barra Funda

Artur Santoro, DJ da Batekoo, indica a festa itinerante Amem 
"É uma festa de protagonismo LGBT e feminista negro, com enfoque na valorização da cultura negra, seja pelos ritmos ou pelas performances de dança. Um dos pontos centrais é difundir a cultura dos 'ballrooms', das batalhas de 'vogue', entendendo como o movimento se relaciona com as batidas e corporalidades brasileiras"  
Facebook.com/FestaAmemBrothers

Cinara, residente do Baile do Leão, indica o Jai Club 
"Gosto de lugares onde não sinto aquela certa disputa de quem se veste melhor ou quem fica no melhor camarote. Gosto de lugares onde o público fica à vontade para ouvir uma boa música e curtir como se não houvesse amanhã" 
Jai  Club - r. Vergueiro, 2.676, Vila Mariana. Sex. e sáb.: 23h. Dom.: 17h. 

Claudia Assef, DJ e jornalista, indica a festa Mamba Negra 
"As meninas fazem uma curadoria interessante e não dependem apenas de nomes internacionais. Divulgam artistas, DJs e produtoras não só de São Paulo. Acho que também conseguiram criar um ambiente muito interessante, especialmente para as mulheres, superempoderado e criativo" 
Sáb. (16): 23h. Mais informações em facebook.com/mambanegraholes

Dago Donato, DJ da GBDG, indica a festa Selvagem 
"O Trepanado e o Milos [DJs do projeto] influenciaram muita gente com o tipo de festa que criaram, com esse lance de tocar de antiguidades obscuras até novidades em sets superlongos e divertidos" 
Facebook.com/festaselvagem 

Dani Arrais, DJ da Rasga, indica a festa Je Treme Mon Amour 
"É pra dançar, suar, conhecer pérolas da música brasileira e latino-americana. E ainda rola cachaça de jambu no meio da pista!" 
Mundo Pensante - r. Treze de Maio, 830. Sáb. (23): 23h.

David Carneiro, DJ da Primavera, te Amo, indica o Boteco Pratododia 
"É um clima superagradável para um fim de domingo. Na seleção musical, o DJ Nuts, um grande amigo, faz um resgate da música brasileira fora dos clichês" 
R. Barra Funda, 34. Qui.: 21h. Sex. e sáb.: 22h.

Felipe Venancio, da Toilette, indica a festa Pink Flaminga 
"Gosto de pistinha em bares. Acho divertido e ficamos próximos dos amigos na cabine. Ouvir o DJ Bispo é muito divertido e o staff do bar, especial, quase família" 
Metropol - pça. Dom José Gaspar, 106, Piso 2, Loja 28. Sex. (8): 21h.

Flávia Durante, do Baile do Bowie, indica a festa Priscilla 
"É onde escuto música pop sem compromisso, vejo show das drags queens que amo e danço até o sol raiar. E, claro, ir toda montada comer coxinha com as amigues às 7h na Iracema ou na Palmeiras também faz parte do ritual" 
Facebook.com/festapriscilla. A equipe da Priscilla também produz a festa Bárbara 

Gabriela Pensanuvem, da Macumbia, indica a festa JAVA 
"
São músicas lindas pra dançar. Nem sinto o tempo passar. Conheci minha 'roommate' lá, dançando, e aprendi muito vendo o DJ Yellow  P" 
Garçonnière Arena - r. Líbero Badaró, 89, Sé. Sáb. (23): 23h. Ingr.: R$ 20.

Gil Riquerme, DJ da Finesse, indica a festa Sauna 
"O nome da festa resume tudo: um lugar pequeno, escuro e quente onde a palavra liberdade é levada a sério pelos frequentadores. Um lugar onde você pode circular totalmente nu se estiver afim" 
ZIG - r. Álvaro de Carvalho, 190, centro. 

Gláucia ++, da CIO, indica o Jerome 
"Estou frequentando bastante por ser intimista, perto de casa e ter qualidade sonora. Sempre encontro amigos"  
R. Mato Grosso, 398, Higienópolis. 

Lily Scott, DJ da Castro, indica a festa Gop Tun 
"Ela entrega o que não encontro em nenhum outro lugar: boa estrutura, pessoas de universos diferentes em uma só pista e música de qualidade" 
Facebook.com/goptun

Leandro Pardí, da Pardieiro, indica a festa Tenda 
"Vou com amigos e sempre encontro mais conhecidos na porta. A paquera rola solta. O bar do lado acaba sendo uma baladinha à parte, por ter música e ser usado como banheiro" 
L'Amour Night Club - r. Bento Freitas, 366, República. Sáb. (9): 23h59. Ingr.: R$ 20 (grátis com nome na lista p/ atendatenda@gmail.com).

Luísa Viscardi, DJ da Casa 92, indica a festa Homies on Wax 
"Acontece todas as quintas no Jerome, e os DJs sempre têm boas pedradas para mostrar. Para quem está de bobeira e procura um lugar diferente pra se divertir sem rótulos e de mente aberta" 
Jerome - r. Mato Grosso, 398. Qui. (14): 23h30. Ingr.: R$ 50 a R$ 70.

Mari Pinheiro, da Dale Fiesta Latina, indica a Heavy Baile 
"O público é de funk, mas eles misturam outros estilos (nunca com menos que 120bpm). É a única festa onde vejo a pista cheia da meia-noite às 6h" 
Facebook.com/heavybaile

Marina Dias, da No Mercy, indica a festa Carlos Capslock 
"Pessoas geniais com looks incríveis, todo mundo está lá para dançar. É uma vibe meio Berlim-SP. Uma conexão entre essas cidades rola de forma espetacular nessa festa" 
Sáb. (9): 23h. Saiba mais em facebook.com/carloscapslock

Marina Diniz, da Georgy Porgy, indica a Heavy Love 
"Intimista, sempre acontece em uma casa diferente, em que o endereço é revelado de última hora. Acontece apenas duas vezes por ano, open bar, e com um line-up de DJs de bom gosto" 
Facebook.com/heavyloveproject

Mau Mau, da Houseria, indica a festa Carlos Capslock 
"Festa incrível, com bom 'sound system' e cuidado especial na seleção de DJs. Foi emocionante estar do outro lado da cabine de som, curtindo com velhos amigos até o sol nascer"

Mauricio Lima, da festa Catuaba, indica a Nossacasa Confraria 
"Tudo e todos são bem-vindos, não existe discriminação. É certeza de música boa, pessoas verdadeiras, uma resistência na cidade" 
R. Mourato Coelho, 1.032, Sex.: 22h. Sáb.: 23h. Dom.: 18h.

Nat Jakovac, da festa Rap Hour, indica o Boteco Pratododia 
"Os preços são honestos e sempre tem festas com música de qualidade, quesito importante. Vou para me divertir e conhecer novos sons"

Nyack, da Discopédia, indica a festa Sintonia 
"É a que eu frequento quando estou de folga. Lá é como um TCC pros DJs do nosso segmento [rap e R&B]: se consegui manter a pista dançando no meu set, eu posso tocar em qualquer outra festa" 
Facebook.com/SintoniaDjClub 

Renata Corr, DJ e empresária, indica o Boteco Pratododia 
"Lá toca um som diferente do habitual, música que surpreende quem está ouvindo. O local é pequeno e aconchegante, central, os valores são sempre acessíveis e a discotecagem, em vinil"

Ricardo Venturini, da Je Treme Mon Amour, indica o Terraço's Show 
"Ideal para fugir da cena alternativa e sair da zona de conforto. Ir com uma turma animada e calibrada é um programão pro fim de noite. A programação é uma viagem pelas ondas das rádios populares do país" 
R. Rui Barbosa, 411, Bela Vista. Sex., sáb. e dom.: 18h.

Rodrigo Bento, da Pilantragi, indica a Sub Galeria 
"É um galpão muito massa onde rolam exposições de novos artistas e algumas festas especiais. O espaço fica em uma rua tranquila, com clima de interior. Descentralizar o rolê é o caminho para manter a noite de São Paulo efervescente" 
R. Padre Justino, 672, Butantã. Sáb.:16h

Sonia Abreu, residente da Casa 92, indica o DJ Marky 
"A balada para a qual eu saio de casa às 2h para ir dançar é onde o DJ Marky estiver. Para mim, ele é o melhor DJ do mundo" 
Clash Club - r. Barra Funda, 969. Sáb. (16): 23h.

Tiago Guiness, da Tenda, indica a festa Amem 
"Articulando valorização da cultura LGBT negra e fervo, promovem a cena 'ballroom', com batalhas de dança como o vogue que são incríveis!" 

Tropkillaz, dupla formada por Laudz e Zegon, indica a Lions Nightclub 
"Com o verão logo aí, as festas na Lions são sempre divertidas. Conta com DJs bem modernos, com sets que vão do trap ao funk, e tem uma das varandas mais agradáveis de São Paulo" 
Av. Brig. Luís Antônio, 277, Bela Vista. Sex. e sáb.: 23h30.

Tutu Moraes, da Santo Forte, indica a Toilette 
"House inteligentíssima e finíssima e outras batidas sensualíssimas e glamourosas" 
Jerome - r. Mato Grosso, 398, Higienópolis. Qua. (13): 23h. Ingr.: R$ 50 a R$ 70.


QUE MÚSICA VOCÊ NÃO TOCA?

Ricardo Venturini: "Olha, tirando música gospel, pro resto eu nunca digo nunca. A voz do povo até pode ser a voz de Deus, mas em festa minha não tem merchan"

Mari Pinheiro: "Pop. Não aguento quando a galera só pede o que está nas rádios. Já fiz plaquinha dizendo: 'No toco Despacito'"

Rodrigo Bento: "Não toco músicas preconceituosas" 

Daniela Arrais: "Música que bomba muito na academia"

Renata Corr: "'Deu Onda' e 'Baile de Favela'. Essas músicas que diminuem as mulheres"

Mauricio Lima: "Apesar de amar a Bahia e Luiz Caldas, não toco 'Fricote', acho racista e machista"



Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais