Espetáculo de dança tem inspiração na obra de Hélio Oiticica

Crédito: Divulgação
Bailarina veste figurino inspirado no conceito parangolé de Hélio Oiticica

O espetáculo "Parangolés", que inicia temporada na Galeria Olido, traz para a dança o conceito homônimo criado pelo artista plástico brasileiro Hélio Oiticica na década de 60. Em cartaz até domingo (6), a peça da companhia Teatro e Dança Mariana Muniz, estréia nesta quinta (26), às 20h. A entrada é gratuita.

A partir da terça (8), o espetáculo será encenado na praça do Patriarca, no centro de São Paulo (SP).

Para o artista plástico Hélio Oiticica, o parangolé é fruto de suas experiências com a comunidade da Escola de Samba Estação Primeira da Mangueira, no Rio de Janeiro, no fim da década de 60.

Considerado por ele como a "totalidade-obra", parangolé é o ponto culminante de toda a experiência realizada com a cor e o espaço, concretizada por meio de estandartes, bandeiras, tendas e capas de vestir que se anexam às essas obras, elaboradas por camadas de panos coloridos. É por meio dos movimentos da dança que sua estrutura, uma espécie de veste, se revela de acordo com os movimentos.

A companhia da atriz e bailarina Mariana Muniz, que estrela o espetáculo, investiga cenicamente as conexões expressivas entre poesia e movimento.

"Parangolés" é um projeto que dá continuidade à pesquisa que a companhia desenvolve, desde 2000, sobre as relações entre palavra e movimento, poesia e dança contemporânea, e aprofunda o contato da companhia com outro objeto de pesquisa: o samba.

Crédito: Divulgação
Bailarino dança com figurino inspirado no parangolé de Oiticica

Trajetória

A bailarina pernambucana Mariana Muniz já trabalhou com Klauss e Angel Vianna nos anos 70 e 80 e, desde então, dedica-se ao trabalho com a dança contemporânea. Atualmente, Muniz cria seus próprios espetáculos junto com a companhia, onde mistura o teatro com a dança, em parceria com o arquiteto Cláudio Gimenez.

Mariana Muniz se aproximou da obra de Oiticica quando experimentou as réplicas dos parangolés durante as pesquisas realizadas no Centro de Documentação Hélio Oiticica, na casa da família do artista, no Rio de Janeiro (RJ). Para Muniz, vesti-los foi sentir na pele a influência da sinuosidade que a geografia do Rio de Janeiro tem, assim como suas favelas, o que ela chamou de "sensação labiríntica".

Os bailarinos Bárbara Faustino, Danielli Mendes, Mariana Muniz, Ronaldo Silva, Thais Ushirobira e Thalita Souza fazem parte do elenco. A produção é de José Renato Almeida. Os figurinos são de Tânia Marcondes e a trilha sonora de Celso Nascimento e Ricardo Severo.

Galeria Olido - sala Paissandu - av. São João, 473, centro, São Paulo, SP. Tel.: 0/xx/11/3397-0171. 70 lugares. 50 min. Qui. a sáb.: 20h. Dom.: 19h. Livre. Ar-condicionado. Acesso a deficientes. Grátis. (ingressos distribuídos com uma hora de antecedência).

Pça. do Patriarca, Centro, São Paulo, SP. Ter. (8), qui.(10) e sex.(11): 12h30.

Leia mais

Livraria da Folha

Especial

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

[arquivo "virtual/hunting/1/newslists/concertosedanca/hunting_newslist.inc" não encontrado em: "http://guia.folha.uol.com.br/virtual/hunting/1/newslists/concertosedanca/hunting_newslist.inc", "http://indices.corp.folha.com.br/virtual/hunting/1/newslists/concertosedanca/hunting_newslist.inc", "/virtual/hunting/1/newslists/concertosedanca/hunting_newslist.inc"]