Crítica: peça retrata infância singela vivida no interior

Inspirado em livro de Lourenço Diaféria, o espetáculo "O Empinador de Estrela" espelha um retrato de uma infância interiorana, contrastante com o frenesi high-tech do dia a dia das crianças urbanas.

Diego Domingues (foto) interpreta o garoto que relembra suas memórias a partir de um caderno
- Crédito: Divulgação

Com adaptação e direção de Milton Morales Filho, a peça tem um fluxo lento, com poucos elementos e acontecimentos. Segue o ritmo da singeleza das brincadeiras de quintal e das prosas ao pé do fogão.

O menino protagonista da história, interpretado por Diego Domingues, relembra suas memórias a partir de folhas soltas de um caderno. Sem excesso, o recurso do narrador em off é utilizado de maneira acertada.

São as lembranças que bem costuram a narrativa, que traz o primeiro dia na escola, a doença que acomete seu pai e o imaginário de uma criança que coleciona lagartas e guarda formigas numa caixa de fósforos.

O menino vive suas pequenas aventuras cotidianas em uma cidade que, no espetáculo, ganha forma num cenário-brinquedo, com casinhas, escola e igreja em miniatura.

Avaliação: bom.
Indicação do "Guia": a partir de 5 anos.

Informe-se sobre a peça

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais