CRÍTICA: Inspirada na obra de Clarice Lispector, 'Pescadora de Ilusão' é poética e filosófica

Com adaptação e direção de Gpeteanh Petean, a peça Pescadora de Ilusão envolve o espectador pela naturalidade com que as duas atrizes, Carol Badra e Mel Lisboa, conversam e brincam com a plateia (que não desgruda os olhos do palco).

O espetáculo trata de assuntos difíceis, como morte e perda, ao narrar a história da protagonista de "A Mulher que Matou os Peixes", conto de Clarice Lispector (1920-1977). Em leve tom cômico, as personagens Eu e Tu carregam suas malas e avisam que aquela se trata de uma história de dar medo e tristeza, afinal, os peixes morreram porque a pescadora se esqueceu de alimentá-los.

Cena do espetáculo infantil "Pescadora de Ilusão" *** ****
Cena do espetáculo infantil "Pescadora de Ilusão" - Deborah Schcolnic/Divulgação

As atrizes indagam às crianças: depois de ouvir o relato, garotas e garotos serão capazes de perdoar a autora pela morte no aquário? A dupla então conta, em versos e canções ritmados pela pulsação de um coração batendo, os engenhosos casos de Clarice com outros animais e torce pela decisão do público.

A montagem traz diálogos filosóficos, com perguntas e afirmações poéticas, questionando, entre outras coisas, o medo e o amor. Mas essa complexidade se dissolve nos figurinos, cenário e bonecos bem-humorados, assinados pelo diretor de arte Marco Lima.


Avaliação: muito bom
Indicação da crítica: a partir de 7 anos

Teatro Sérgio Cardoso - R. Rui Barbosa, 153, Bela Vista, região central, tel. 3882-8080. 154 lugares. Sáb. e dom.: 16h. Até 30/7. CC: V, M, AE, E, D. Ingresso: R$ 30.

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais