Descrição de chapéu Crítica
Criança

'Vida de Pirata' mistura folclore com pirataria sem passar nenhuma mensagem

Peça da Cia. do Liquidificador está em cartaz no CCSP

MÔNICA RODRIGUES DA COSTA
São Paulo

A comédia musical “Vida de Pirata”, da Cia. do Liquidificador, dirigida e escrita por Fábio Spila, viaja pelo imaginário da pirataria em sua época de ouro, quando a bandidagem corria solta no Velho Mundo.

Com indumentárias de cangaceiro, chapéu de palha e bombachas gaúchas, os ladrões dos mares são comandados por uma capitã, que possui uma imediata bêbada e uma navegadora adivinha, vestida de baiana.

Vida de Pirata
Daniel Assad, Cris Socci, Tatiana Abrantes, Letícia Calvosa e Renato Mescoki - Rafael Marques/Divulgação

Ao lado do faxineiro faz-tudo e de um músico que toca acordeão, as tripulantes do navio fazem trapalhadas e exploram a linguagem do circo com cambalhotas, trocadilhos e estapeações típicas do picadeiro.

Os atores têm talento, mas o espetáculo tem dois problemas. Em primeiro lugar, o enredo perde força da metade para o final porque apenas repete as peripécias.

Em segundo lugar, ao cenário da embarcação, que usa os símbolos da pirataria, como espada, canhão, baldes e tonéis, é sobreposto um figurino com a temática do folclore brasileiro, que não gera impacto nem significação. Não se sabe qual é a mensagem do grupo para além das piadas da comédia.

Indicação da crítica: a partir de 7 anos
CCSP - sala Jardel Filho - R. Vergueiro, 1.000, Liberdade, região central, tel. 3397-4002, 321 lugares. Sáb. e dom.: 16h. Até 16/9. Ingr.: R$ 20. Ingr. p/ ingressorapido.com.br. 

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais