Com dança e tambor, Jongo do Coreto ganha nova apresentação em Perus

A tradição vem dos negros escravizados que usavam o jongo como meio de comunicação

Ira Romão
São Paulo

Nesta terça (6), será realizado o Jongo do Coreto, prática afro-brasileira que une roda de dança a toques de tambor. O evento acontece na primeira terça-feira de cada mês, das 20h às 22h, na Comunidade Cultural Quilombaque, em Perus, zona noroeste de São Paulo.

Próximo da estação Perus, da Linha 7 - Rubi da CPTM, o local também expõe grafites de artistas periféricos ao redor da Comunidade Cultural Quilombaque. Durante o encontro é servida pinga com mel. 

Jongo do Coreto
Jongo é realizado há quatro anos em Perus - - João Paulo Brito/Agência Mural/Folhapress

O jongo foi considerado Patrimônio Cultural Brasileiro em 2005. Em Perus, é organizado desde 2014 por moradores que pesquisam sobre tambores e danças afro-brasileiras.

A tradição teve início durante o período da escravidão no Brasil, quando os negros usavam o jongo para se comunicarem sem que os donos identificassem as mensagens.

Comunidade Cultural Quilombaque, Travessa Cambaratiba, 5, Perus, zona noroeste. Terça-feira (6): 20h às 22h. Livre. GRÁTIS.

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

[arquivo "virtual/hunting/1/newslists/mural/hunting_newslist.inc" não encontrado em: "http://guia.folha.uol.com.br/virtual/hunting/1/newslists/mural/hunting_newslist.inc", "http://indices.corp.folha.com.br/virtual/hunting/1/newslists/mural/hunting_newslist.inc", "/virtual/hunting/1/newslists/mural/hunting_newslist.inc"]