Descrição de chapéu Crítica
Criança

Fábula conta história de galinha para falar de relações entre adultos e crianças

'Elagalinha' faz parte da segunda edição do projeto Dramaturgias, do Sesc Ipiranga

GABRIELA ROMEU

Elagalinha

  • Quando Ter. e qua.: 10h e 14h30. Sáb. e dom.: 16h. Até 1º/9
  • Onde Sesc Ipiranga - R. Bom Pastor, 822, Ipiranga
  • Preço GRÁTIS

“A cabeça aprende. Mas quem ensina é o coração”, anuncia a contagiante trilha sonora tocada ao vivo já no início de “Elagalinha”, fábula contemporânea da Cia. Bendita sobre a crise nas relações humanas.

O tema do vínculo entre adultos e crianças já permeou outras peças do diretor Marcelo Romagnoli, como “Terremota” (2012). Desta vez, o confronto do olhar renovado da infância mediante o silenciamento adulto é discutido no bojo da (crise da) educação, em camadas que dialogam com diferentes faixas etárias.

Encenada ao ar livre, a peça tem um inventivo cenário de Marisa Bentivegna que traz um poleiro-jaula, também sala de aula, para contar a história de uma galinha (Jackie Obrigon), ansiosa pelo primeiro dia na escola. Pessimista, o Paigalo (Georgette Fadel), no entanto, avisa: “O mundo é perigoso”. E, claro, logo ela encontra um caçador (Guto Togniazollo) pelo caminho.

Metalinguística, a história traz dois críticos teatrais, um patético, que acha que já aprendeu tudo (Pascoal da Conceição) e outro mais curioso (Joaquim Lino), que comenta a narrativa. 

Num tom fabular, as cenas finais sugerem a moral da história, em que todos, enjaulados nos tempos atuais, precisam aprender juntos, de forma horizontal. Mas não deixa de convidar a plateia a fazer a lição de levar a reflexão para casa —ou para a escola.

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais