Descrição de chapéu Análise
Criança

'Alice no País das Maravilhas' ganha exposição em que surge sombria, psicodélica e feminista

Mostra no Farol Santander, em SP, exibe as muitas facetas da personagem de Lewis Carroll

Gabriela Romeu

São muitas as portas que Alice pode atravessar em sua saga nonsense pelo País das Maravilhas. Quem visita a exposição "As Aventuras de Alice", em cartaz no Farol Santander, em São Paulo, encontra ainda mais entradas para incursionar por essa célebre obra de Lewis Carroll.

Aliás, foi uma Alice soturna, criada com tons surrealistas pelo cineasta tcheco Jan Svankmajer, num filme de 1988, que abriu um outro portal para o curador da mostra, Rodrigo Gontijo, que traz para dois andares do prédio paulistano variadas representações dessa personagem, que ele define como uma "metáfora do inconsciente".

Exposição sobre "Alice no País das Maravilhas" no Farol Santander
Detalhe da exposição sobre "Alice no País das Maravilhas" no Farol Santander - Divulgação

A exposição parte da obra lançada em 1865, best-seller imediato. Uma biblioteca reúne diferentes versões, brasileiras e históricas, enquanto uma galeria apresenta os personagens amalucados nas ilustrações do cartunista britânico John Tenniel —o primeiro a representar Alice. Mas a mostra extrapola as páginas do livro, um dos mais traduzidos no mundo.

As peripécias da menina pelo mundo das charadas saltam para diferentes linguagens. Surgem em obras de Antonio Peticov, na "Vandalice" do grafiteiro Ozi, na Alice versada por Paulo Leminski e em clipe da música "White Rabbit", da banda Jefferson Airplane, entre fragmentos de filmes e animações inspirados na obra desse autor, que foi precursor dos tratados de matemática e que, já na infância, criava traquitanas de coisas e de palavras.

O cinema tem seu próprio fio narrativo na exposição, em que o visitante transita entre a era pré-cinema e seus divertidos brinquedos —como livro tridimensional, flipbook, zootrópio—, do mesmo período em que a obra foi escrita, e a fase pós-cinema, com videoinstalações e instalações imersivas.

A mostra está dividida entre o mundo da superfície, a realidade e o contexto histórico sobre criador e criatura, e o universo subterrâneo, a fantasia e os muitos jogos filosóficos de Lewis Carroll, pseudônimo do reverendo e professor de matemática do período vitoriano Charles Lutwidge Dodgson (1832-1898).

Os personagens começam a escapar das páginas bidimensionais no "Gabinete de Curiosidades", da artista visual Adriana Peliano, uma "especialice", como costuma dizer, fundadora da Sociedade Lewis Carroll do Brasil. Suas colagens "alicedélicas" expandem os limites do real e do sonho.

É preciso ter olhos de ver miudezas para investigar a instalação dessa artista colecionadora de objetos simbólicos, como chaves, xícaras e relógios, que são imantados de novos significados em suas "assemblages" (colagens com coisas diversas, como livros e brinquedos). Carroll também criava dispositivos e colecionava caixinhas de música que fazia girar ao contrário.

Entre os achados e colados, uma bola de cristal esconde uma pergunta desconcertante e bonecas Alices surgem em imagens que beiram o sombrio, provocadoras em meio a tantos imaginários mais assépticos que rondam as produções culturais para a infância. Ampliam essa atmosfera surreal os retratos da ilustradora americana Maggie Taylor, em que diferentes Alices nos interpelam de modo perturbador.

É seguindo as pegadas do coelho branco que os visitantes são levados para as instalações no segundo andar da exposição, onde é possível experimentar a sensação de queda da pequena heroína pela toca desse personagem sempre sem tempo, em direção ao mundo subterrâneo, numa montagem de três minutos que reúne cenas de 21 filmes.

As instalações reproduzem versões imagéticas de uma mesma cena: o chá com o Chapeleiro Maluco ou o encontro com a tirana Rainha de Copas, destacando que, mais do que uma obra denominada nonsense, a Alice de Carroll é "multiplesense", ou aberta a muitos sentidos e leituras, como bem define o curador.

Compacta, a exposição está bem distribuída em 600 metros quadrados, mas vale ao visitante mais interessado reservar um tempo maior para ouvir depoimentos de especialistas e conferir as disparidades das traduções de um mesmo capítulo dessa obra, que já chega às crianças de hoje com as muitas facetas de Alice –vitoriana, psicodélica, sombria, feminista.

As Aventuras de Alice

  • Quando 24/6 a 25/9; ter. a dom., das 9h às 20h
  • Onde Farol Santander - r. João Brícola, 24, Centro, tel. (11) 3553-5627
  • Preço R$ 30
  • Link: https://farolsantander.com.br

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais