Fãs de k-pop acampam desde fevereiro para show em SP; e não é do BTS

Monsta X volta ao Brasil em apresentação única no Espaço das Américas

Isabella Menon
São Paulo

"Vocês estudam? Trabalham? Tomam banho? Tão acampando para que show? Estão aqui há quanto tempo?" Essas são as perguntas mais frequentes que os fãs de k-pop, acampados em frente ao Espaço das Américas, costumam ouvir de curiosos que por ali passam. 

Cansados das mesmas perguntas, eles descolaram um cartaz para já deixar sinalizadas as respostas. Ali, as monbebes, como as fãs são chamadas da banda, garantem que sim, estudam, trabalham e tomam banho. "Fizemos uma versão em inglês e em português, porque os gringos também ficam querendo saber o que a gente tá fazendo", explicam.

E eles estão ali desde fevereiro à espera do Monsta X. O nome do grupo pode não ser muito conhecido para quem acompanha os hits das rádios. Mas a banda coreana é uma das mais famosas do k-pop. 

Fãs do Monsta X fazem cartazes para responder dúvidas de curiosos
Fãs do Monsta X fazem cartazes para responder dúvidas de curiosos - Thalita Ramires/Acervo Pessoal

Quem passa em frente ao Espaço das Américas, na Barra Funda, pode se enganar ao ver apenas quatro barracas, com poucas jovens. Na verdade, o improvisado alojamento recebe por volta de 60 pessoas, que se revezam em turnos organizados cerca oito horas, com direito a planilha. Cada um é responsável, em média, por dois a três turnos a cada semana. 

O grupo começou a aventura em fevereiro, antes mesmo dos ingressos começarem a ser vendidos. O show está marcado para julho e ainda não lotou —os ingressos variam entre R$ 170 e R$ 340.

Esta é a segunda vez que a banda coreana vem para o Brasil —na estreia, em 2018, o acampamento também foi montado. Para se ter uma ideia do sucesso da banda, o videoclipe da faixa “Hero” teve 83 milhões de visualizações no Youtube.

Fãs de Monsta X acampam em frente ao Espaço das Américas
Fãs de Monsta X acampam em frente ao Espaço das Américas - Marina Consiglio/Folhapress

Sucesso k-pop

O número não é nada desprezível, apesar de não se equiparar ao dos clipes do BTS, grupo mais popular de k-pop da atualidade, que passa de meio bilhão de visualizações —e que também se apresenta em São Paulo em breve.

Aliás, algumas meninas que acampam por ali também intercalam com o acampamento do BTS, que esgotou ingressos para o show no Allianz Parque no dia 25 de maio —eles farão um show extra no dia seguinte (26/5), que ainda tem poucos bilhetes disponíveis. 

Formado majoritariamente por meninas, o grupo de acampados conta com alguns casos que fogem do estereótipo groupies. É o caso de um garoto de nove anos que, devido a pouca idade, conta com a ajuda da mãe, também k-popper, para dar força aos revezamentos. 

 

O objetivo de tantos meses de espera, segundo Larinessa Ferrarezi, 22, não é só ficar no gargarejo, diante da banda, é conseguir "interação" com a boy band formada por sete integrantes. Tanto Ferrarezi, que pratica k-dance, quanto Thalita Ramires e Raissa Lelis, ambas também com 22 anos, dizem que as coreografias, bem ensaiadas, e a superprodução dos clipes são os pontos fortes da banda. 

O fanatismo vai além da música e as jovens contam que também se interessam pela gastronomia “bastante apimentada” da Coreia do Sul. O idioma, lamentam, é um desafio. “Eu não consigo entender, eles dizem que a gente canta direitinho, mas parece mais que a gente tá invocando alguma coisa quando tenta cantar”, ri Thalita Ramires.

Bem em frente ao Espaço das Américas, elas enfrentam chuva, calor e até pequenos furtos, como o de lonas pesadas que cobrem a barraca, além da provocação de passantes que não não se conformam com o acampamento. "O pessoal adora gritar: 'Para acampar pro Enem vocês não acampam, né?’”, contam as meninas. 

Mesmo alguns fãs do grupo coreano não apoiam a empreitada. “Eles falam que se preocupam com a gente, que não é seguro, mas a verdade é que estão com inveja”, diz Ferrarezi. 

Mas, nem tudo são flores. Escândalos sexuais tem ameaçado recentemente a indústria do pop coreano, como o caso do cantor e ator Jung Joon-young, preso e acusado de filmar mulheres sem o consentimento e enviar os vídeos para outras pessoas. Além dele, Seungri, da banda Big Bang, também foi preso, neste caso por envolvimento em caso de prostituição. 

A notícia, divulgada após o começo do acampamento, foi um choque. Uma das integrantes do grupo chegou a chorar ao ler a notícia. “Ninguém aqui vai passar a mão na cabeça de quem faz esse tipo de coisa. É muito triste ver seu ídolo envolvido em uma coisa dessas, não tem nem como protegê-lo”, disse Thalita Ramires. Mas o caso com outras bandas ainda não abalou a admiração pelo Monsta X, faça chuva ou faça sol.
 

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais