Roberto Menescal, Marcos Valle e Wanda Sá comemoram 60 anos de bossa nova em shows no Sesc 24 de Maio

Em entrevista, Menescal conta histórias da bossa e diz que estilo foi mais do que revolução musical

Fernando Silva
São Paulo

Roberto Menescal se apresenta com Wanda Sá e Marcos Valle para comemorar 60 anos de bossa nova em dois shows, na quarta (23) e na quinta (24), no Sesc 24 de Maio. Mas, para o guitarrista e violonista, o estilo e seu nascimento não significaram apenas uma revolução musical.

"Foi uma virada. Nos costumes também. [Antes] Era uma época dominada pelo samba-canção. Feita por uma turma mais velha, que trabalhava o dia inteiro e, no final do expediente, se encontrava em boates, de terno e gravata. Faziam coisas bonitas, mas de letras muito sofridas", diz. 

"E nós éramos de uma nova geração, que usava a praia em todos os sentidos. Jogávamos vôlei e futebol, à tarde, e à noite, tocávamos violão lá. Então, éramos mais esportivos, muito mais abertos. E aquelas letras [do samba-canção] caíam esquisito para nós. Como é que, com o corpo todo queimado de sol, iríamos [cantar] 'Garçom, apague esta luz/Que eu quero ficar sozinho"?", conta Menescal, citando versos de “Bar da Noite”, composição de Bidu Reis (1920-2011) e Haroldo Barbosa (1915-1979).

Dali, da areia, ele saiu para entrar no olho do furacão. Foi contratado da histórica gravadora Elenco, compôs "Vagamente" e  —um dos hinos do gênero— "O Barquinho", ambas em parceria com Ronaldo Bôscoli (1928-1994) e garantidas no repertório dos shows de comemoração.

Um dos grandes nomes da bossa nova, Roberto Menescal se apresenta com Marcos Valle e Wanda Sá para comemorar 60 anos do estilo
Um dos grandes nomes da bossa nova, Roberto Menescal se apresenta com Marcos Valle e Wanda Sá para comemorar 60 anos do estilo - Marcus Leoni -21.09.2017/Folhapress

E mais: Menescal tornou-se um dos artistas a se apresentar no Carnegie Hall, em Nova York, em 1962, na noite que reuniu nomes como João Gilberto, Carlos Lyra e Milton Banana (1935-1999) e lançou a bossa nova nos Estados Unidos e no mundo. Seu amor pelo mar, no entanto, quase o deixou de fora. 

"Eu não tinha noção da possível importância daquilo. Tanto que, quando me ligou um cara do Itamaraty,  falei a ele 'eu não vou poder ir, não'. Tinha marcado uma pescaria em Cabo Frio [RJ], já havia alugado um barco", relembra.

Foi preciso ouvir um conselho de Tom Jobim (1927-1994), a quem chama de "mestre". “Ele me telefonou e disse 'vamos fazer show num teatro importante. Tem de ir'. Então, fui."

Hoje, aos 81 anos, diverte-se com o fato de o "samba moderno" (nome que eles mesmos davam ao som) ter ganhado o nome de bossa nova e seguir chamando a atenção décadas depois. "Lembro de comentar com meu parceiro Bôscoli [à época]. 'Pô, Ronaldo, isso já dura dois anos. Se durar mais um, será demais.”

Roberto Menescal, Wanda Sá e Marcos Valle

  • Quando Na quarta (23) e na quinta (24), às 21h
  • Onde No Sesc 24 de Maio (r. Vinte e Quatro de Maio, 109, República)
  • Preço R$ 40
  • Classificação 12 anos
  • Capacidade 216 lugares.
  • Tel. (11) 3350-6300

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais