Descrição de chapéu Crítica
Cinema

Filmado com exatidão, 'O Olho e a Faca' não se firma como o espetáculo que pretende ser

Longa de Paulo Sacramento acompanha rotina em uma plataforma de petróleo

Inácio Araujo

O Olho e a Faca

  • Classificação 16 anos
  • Elenco Rodrigo Lombardi, Roberto Birindelli e Caco Ciocler
  • Produção Brasil, 2018. 99 min
  • Direção Paulo Sacramento

"O Olho e a Faca" não é bem o filme que se podia esperar de Paulo Sacramento, depois de seus curtas, de sua atrevida estreia com o documentário “O Prisioneiro da Grade de Ferro” (2003), e mesmo de “Riocorrente” (2013), sua primeira ficção.

Dois elementos, no entanto, permanecem: a ambição e o perfeccionismo na realização. Pois se o filme começa com, praticamente, um documentário sobre uma plataforma de petróleo, admita-se que é um bom documentário.

Mas se, apenas por hipótese, o acidente que desencadeia o drama fosse antecipado, colocado no início do filme, não é impossível que isso levasse o espectador a notar, desde logo, que o aspecto documental, por cuidado que seja, não é o essencial do filme, e sim o acessório. Nem a camaradagem a bordo, nem os jogos de pebolim se relacionam com o centro da questão. A aventura, sim, é o principal.

Até porque logo saberemos que uma plataforma de petróleo não é apenas aquilo que aparece no anúncio, mas um lugar onde a aventura e o perigo se misturam à profissão.

Em dado momento, “O Olho e a Faca” opta pela aventura interior na vida desses profissionais que passam semanas, por vezes meses no mar. O desarranjo começa quando Roberto (Rodrigo Lombardi) é escolhido como gerente da plataforma no lugar de um  amigo que esperava (e ao que parece merecia) ocupar o posto.

Roberto é obcecado pela exatidão. Quando volta para casa, na companhia do filho, gosta de mostrar-lhe um fio de prumo. Mas sua vida está um tanto fora de prumo: assim como na plataforma, parece contaminado por problemas que vêm de dentro e de fora. Começa por privilegiar um dos filhos e termina por dar à mulher aquilo que ela não gostaria.

Se “O Olho e a Faca” surpreende pela ambição e pela competência, não deixa de indicar a via dupla do trabalho de Sacramento, como se nele permanecesse a dúvida entre a empreitada experimental e o desejo de responder à necessidade de fazer bem, de impressionar pela exatidão, de manter o filme no prumo.

É evidente que, por conta dessa duplicidade, algo parece faltar para que o longa se afirme como o espetáculo que pretende ser. Assim, se chega a debruçar-se sobre a solidão extrema de Roberto com pertinência, deixa de nos dizer se esse é um caso muito pessoal ou se é parte do modo de vida desses homens-plataforma. Algo que ninguém, aqui no Brasil ao menos (fora do Brasil também não recordo de filme dedicado ao tema), teve a paciência e o sentimento do equilíbrio difícil para mostrar.

Salas e horários

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais