Descrição de chapéu Cinema
Shows

Saiba por que o antigo Credicard Hall e o Open Air agora têm o nome de Vibra em SP

Casa de shows e evento de cinema ao ar livre voltam a funcionar na capital paulista em maio

-
São Paulo

Dois importantes espaços de cultura em São Paulo voltarão a ocupar a agenda da cidade a partir de maio. Ambos com nomes diferentes de suas versões anteriores e agora rebatizados de Vibra.

Tanto a casa de shows que nasceu como Credicard Hall e depois foi renomeada de UnimedHall, que fechou em março de 2021 por causa da pandemia, quanto o evento de cinema ao ar livre Open Air, que era tocado pela Shell até 2019, vão reabrir as portas na cidade.

O retorno foi possível por causa da Vibra Energia, marca de combustíveis e lubrificantes antes conhecida como BR Distribuidora e que decidiu iniciar uma empreitada pela cultura, adquirindo os direitos do uso de nome nos dois locais.

Projeção de como ficará a fachada da casa de shows Vibra São Paulo, antiga UnimedHall
Projeção de como ficará a fachada da casa de shows Vibra São Paulo, antiga UnimedHall - Divulgação

No caso da casa shows em Santo Amaro, na zona sul da capital, a gestão também sofreu mudanças. Antes nas mãos da T4F, o novo Vibra São Paulo agora ficará sob a administração da Opus Entretenimento. O espaço será reaberto em maio e permanecerá com esse nome por ao menos quatro anos.

Apesar de ainda não ter divulgado a programação, a brasilidade e a mistura de sons deve guiar a curadoria musical da casa, que, segundo Leonardo Burgos, vice-presidente de desenvolvimento de negócios e marketing da Vibra, pretende realizar ao menos cem apresentações por ano e ir "do rock ao erudito, do funk ao samba, do teatro à dança".

Lucas Giacomolli, vice-presidente da Opus Entretenimento, conta que a programação levará em conta, por exemplo, o forte momento do rap nacional e os principais nomes da música atual no Brasil, além de atrações internacionais.

A ideia, segundo eles, é modernizar a casa . "A gente quer que em algumas datas específicas, por exemplo, o evento se torne uma balada para o público mais jovem, mas que o mais velho também fique para a festa", diz Giacomolli.

Em termos de estrutura, a Vibra surge com uma série de mudanças no horizonte. A ideia é ter espaços de desembarque para outras formas de transporte que não os carros e ampliar as áreas de alimentação, além de outras mudanças que serão feitas ao longo deste primeiro ano.

Outra novidade da empresa de combustíveis é a compra dos "naming rights" do Open Air, um dos principais eventos de cinema ao ar livre do Brasil, que retorna ao calendário da cidade entre os dias 25 de maio e 12 de junho, agora rebatizado como Vibra Open Air.

A atração, que surgiu em 2002 e leva filmes e shows à pista do Jockey Club, na zona oeste de São Paulo, já carregou os nomes de marcas como Vivo e Shell. O evento foi interrompido no último ano, por causa da pandemia. A última edição ocorreu em 2020, no Rio de Janeiro, mas no formato de drive-in, com patrocínio da Telecine.

Vibra Open Air leva filmes e shows ao ar livre ao Jockey Club, em São Paulo
Evento anterior do Open Air, que volta a levar filmes ao ar livre ao Jockey Club, em SP, em maio - Divulgação

"Na pandemia, não só o mundo mudou, mas o cinema também mudou. Esse é o momento mais importante da história do Open Air, porque a gente volta com uma experiência ao ar livre e com alta qualidade de som e imagem", comenta Renato Byington, sócio-diretor da D+3 Produções, responsável pelo evento.

A principal atração é a tela enorme, que mede 325 m² —maior que as telas Imax disponíveis na cidade e equivalente ao tamanho de uma quadra de tênis. Vinda da Suíça, ela fica inicialmente posicionada de forma horizontal e ganha um espetáculo de luzes enquanto é erguida, logo antes de a sessão começar. Para acompanhar as imagens, 28 caixas de som do sistema Dolby ficam espalhadas pelo local.

Na programação, de quarta a domingo, estão 24 filmes, entre clássicos e blockbusters, que incluem o nacional "Eduardo e Mônica" e os internacionais "Pânico" e "Summer Of Soul (...Ou, Quando A Revolução Não Pôde Ser Televisionada)", eleito melhor documentário no Oscar deste ano e que fecha a agenda do evento. O ingresso custa R$ 50, valor que inclui um saco de pipoca, e as vendas serão abertas no dia 4 de maio.

Logo após as projeções também rolam os shows. Entre as apresentações previstas estão artistas como Lúcio Mauro Filho e Pedro Baby, que trazem o show "Lei Natural dos Encontros" pela primeira vez a São Paulo. Para forrar a barriga, o evento reúne foodtrucks e barracas com pizzas e hambúrgueres.

Ao contrário do longo contrato do Vibra São Paulo, os diretos sobre o nome do Open Air estão previstos apenas até o fim deste ano —mas, segundo Burgos, há planos de repetir o patrocínio.

Vibra São Paulo

  • Onde Av. Das Nações Unidas,17.955, Santo Amaro

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais