Sala a sala, confira a avaliação do Guia para 56 cinemas de São Paulo

Na 12ª edição dos melhores, reportagem visitou 112 sessões em pouco mais de 40 dias

São Paulo

A reportagem do Guia visitou 56 complexos de cinema para definir os melhores de São Paulo em nove categorias, incluindo melhor sala, som, projeção, programação e mais confortável. Seriam 57, mas o Cinépolis JK Iguatemi, campeão nos dois últimos anos, ficou fora da avaliação por estar passando por reforma. 

Ao todo, foram 112 sessões em pouco mais de 40 dias. Em complexos com várias salas (a maioria na cidade), foram avaliadas a maior e a menor sala do cinema. Ficaram fora também os cinemas da Grande São Paulo, como a região do ABC, Barueri e Guarulhos.

Confira a seguir a avaliação, dividida por região de São Paulo. As salas especiais, que exibem programação fora do circuito comercial, estão no final do roteiro.

O especial também indica como, e quando, pagar menos no cinema, mesmo não sendo estudante. 

Região Central

Caixa Belas Artes

Inauguração: 1956; salas: 6

A ótima programação do cinema combina sucessos de bilheteria, filmes premiados e produções de baixo orçamento, que ainda dão espaço para os divertidos e disputados Noitões que costumam acontecer às sextas-feiras. As salas menores podem ser um tanto desconfortáveis, mas são bem cuidadas e têm bons sistemas de som e imagem. A maior sala, chamada Villa-Lobos, tem fileiras que ficam muito abaixo da tela, mas no geral é agradável.
Salas e horários.


Cidade São Paulo Cinemark

Inauguração: 2015; salas 6

Mais novo complexo da Cinemark na capital, tem hall clean e mantém padrão semelhante em suas seis salas, mas nenhuma delas traz algum atrativo especial, como as XD (as de tela grande da rede) ou as VIP (mais confortáveis). Como reflexo, também estão em bom estado de conservação e trazem boa localização para os cadeirantes.
Salas e horários.


Cinearte

​Inauguração: 2005; salas 2

O espaço do Conjunto Nacional é um dos poucos na cidade que ainda não oferece serviço de autoatendimento para venda de ingressos, o que pode gerar filas em dias de mais movimento. Suas duas salas possuem poltronas um pouco mais largas que o convencional. Tanto na sala 1, maior, quanto na 2, com espaço e tela pequenas, a programação é normalmente voltada ao circuito de filmes de arte. O Café Scada, com menu variado, é acessível a todos, mas a entrada é mais controlada no domingo, dia em que o movimento na av. Paulista é intenso.
Salas e horários.


Espaço Itaú de Cinema - Augusta

Inauguração: 1993; salas: 5

Um dos poucos cinemas de rua da cidade, é ponto tradicional na Augusta, com três salas no lado principal e mais duas no anexo. Estranhamente, as bilheterias ou totens de autoatendimento não atendem o lado oposto e vice-versa. Na sala 1, a maior, recomenda-se não sentar nas poltronas das extremidades da fileira, com angulação ruim. Já a sala 5, no anexo, tem apenas 31 lugares, mas em poltronas mais largas e confortáveis, uma semi-VIP —é lá também que fica o Café Fellini, melhor bonbonnière do roteiro.
Salas e horários.


Espaço Itaú de Cinema - Frei Caneca

Inauguração: 2001; salas: 9

Em suas nove salas, o Arteplex distribui a melhor programação do circuito, alternando blockbusters e filmes com pouco espaço. Seis indicados ao Oscar estão sendo exibidos no momento, assim como os pops “Vidro” ou “Alita”. Além da bonbonnière, o hall traz o Café Scada, que atua em outros complexos, como o Bourbon e o Cinearte. Na sala 1, a maior, a visibilidade é adequada mesmo da primeira fila.
Salas e horários.


Marabá Playarte

Reinauguração: 2009; salas: 5

Dez anos após sua reinauguração, o Marabá —que foi um dos gigantes do Centro antes de se transformar em um complexo de cinco salas— dá sinais de que precisa de uma nova reforma. No dia da visita (30 de janeiro), toda a plateia do lado direito da sala 1 (ainda uma das maiores da cidade) estava indisponível (as poltronas haviam sido lavadas e a gerência pedia para não se sentarem ali). Na mesma sala, o carpete tinha aparência de encardido. Dos dois totens de autoatendimento, um não estava funcionando no cinema, que tem programação apenas dublada.
Salas e horários.


Playarte Bristol

Reinauguração: 2003; salas: 5

O diferencial do cinema do Center 3 é a sala Extreme, que ganhou nova tela, um pouco curva, som mais potente e três fileiras com poltronas executivas (por R$ 4 a mais), com pequena mesinha de apoio. As duas primeiras fileiras da sala, porém, são menos indicadas, muito próximas da tela —é na primeira que ficam posicionados os cadeirantes.
Salas e horários.


Playarte Splendor Paulista

Inauguração: 2011; salas: 2

Para enfrentar a concorrência do Pátio Paulista Cinemark, que fica ao lado, o Splendor oferece tratamento VIP por um ingresso de valor normal. O cinéfilo já é recebido na porta por um atendente com um menu, pelo qual é possível fazer pedidos até durante os trailers, mas o lanche pode chegar em plena sessão. As poltronas também são mais confortáveis, mas sem encosto para os pés e, nas duas últimas fileiras, não reclinam.
Salas e horários.


Pátio Higienópolis Cinemark

Inauguração: 1997; salas: 6

Ao contrário de outros complexos da rede, com halls bem amplos, tudo é meio apertado no Higienópolis, da bilheteria (ainda no meio da praça de alimentação) ao espaço para hall e bonbonnière, problema que parece sem solução. As salas são confortáveis, com poltronas bem conservadas, mas o espaço destinado aos cadeirantes ainda é ruim, na primeira fila tanto na maior sala (a 6), quanto na menor (4) —cuja fileira A é muito próxima da tela.
Salas e horários. 


Pátio Paulista Cinemark

Inauguração: 2009; salas: 7

Principal cinema do shopping, ao lado do Splendor Playarte, tem salas com tamanhos semelhantes, todas muito bem conservadas, com boa distância entre a primeira fila e a tela e sistema de som apurado tanto na sessão legendada de “Aquaman” quanto na de “Homem-Aranha no Aranhaverso”, que chegou a 120 decibéis no aplicativo utilizado pela reportagem. Talvez falte uma upgrade, com uma sala XD, de tela gigante, comum em vários cinemas da rede.
Salas e horários.


Reserva Cultural

Inauguração: 2005; salas: 4

Em um espaço charmoso, no coração da avenida Paulista, o complexo tem seus trunfos, como um bistrô e a boulangerie Pain de France —onde é possível até comprar uma baguete após a sessão—, além da programação, apoiada em títulos do circuito de arte. O ponto fraco são justamente as salas, com poltronas desconfortáveis e uma posição ruim para os cadeirantes, no fundo. A primeira fila na sala 4, a menor, poderia desaparecer: é muito próxima da tela e no mesmo nível da fileira B. Falta também um totem de autoatendimento para aliviar as filas nos momentos de pico.
Salas e horários.


Região Leste

Anália Franco UCI

Inauguração: 2000; salas: 9

Melhor complexo da zona leste, principalmente por ser um dos apenas três que oferecem programação legendada na região, o cinema é marcado por extremos: enquanto suas salas mais grandiosas são algumas das melhores da cidade, as menores deixam a desejar. A principal delas, Imax, é confortável e tem ótimos sistemas de som e imagem, acima da média. Na sala 9, com tecnologia 4D, os efeitos casam perfeitamente com o filme, tornando a experiência totalmente imersiva. Já a 4, com 121 lugares, incomoda por ter tela baixa e não centralizada. Antes de entrar nas sessões, a experiência da reportagem foi mista: há um confortável saguão cheio de poltronas e o atendimento da bonbonnière foi ágil, mas houve demora e pouca cordialidade na compra de ingressos.
Salas e horários. 


Central Plaza Cinemark

Inauguração: 1998; salas: 13

Permanece um mistério o motivo pelo qual a Cinemark mantém seu complexo em Aricanduva funcionando como um único cinema —talvez por estar em um centro comercial marcado por superlativos. Mas há pouca harmonia entre as cinco salas localizados no shopping Aricanduva e as oito que ficam no Interlar Aricanduva. Ao comprar ingressos na bilheteria principal do complexo, o visitante pode ser direcionado para o outro lado, em um trajeto extremamente mal sinalizado, que passa por ruas e estacionamentos e leva cerca de dez minutos para ser percorrido (isso para quem já está familiarizado com o caminho). Lá, pode se deparar com a menor sala do cinema, que é plana, desconfortável e tinha tela com arranhões. Apesar das 13 salas, nenhuma é destinada a filmes legendados.
Salas e horários. 


Boulevard Tatuapé Cinemark

Inauguração: 2007; salas: 5

Superior ao vizinho Metrô Tatuapé, que também é da rede Cinemark, o cinema insiste nos erros do passado: assim como em 2018 e 2017, decepcionou pela demora no atendimento. A reportagem visitou o complexo próximo ao horário de fechamento, quando um único funcionário se dividia entre a bilheteria e outras funções, o que gerou demora na compra dos ingressos. Também pecou pela acessibilidade. Em sua menor sala, a 5, um paredão separa o andar destinado a cadeirantes do resto das fileiras, gerando desconforto para assistir aos filmes. Por outro lado, o complexo é limpo, confortável e é um dos únicos com programação legendada na região.
Salas e horários.


Central Plaza Cinemark

Inauguração: 1999; salas: 10

O cinema ocupa um grande espaço do shopping Central Plaza e, por isso, tem um gigantesco saguão que costuma lotar nos finais de semana. De segunda a sexta, porém, dependendo do horário, a venda de ingressos é feita diretamente nos totens de autoatendimento ou na bonbonnière, que peca por não ter televisores exibindo as sessões do dia. O destaque do complexo é a sala 10, com tecnologia XD, com tela e sistema de áudio generosos. A menor delas também não deixa a desejar e tem som alto e poltronas confortáveis, com encosto que reclina bem.
Salas e horários. 


Cinépolis Metrô Itaquera

Inauguração: 2007; salas: 8

Ao chegar ao complexo, o barulho e a sujeira (o chão estava grudento quando a reportagem o visitou) do saguão podem assustar. E, na hora de comprar ingressos, a tarefa pode ser árdua, já que a bilheteria fica em uma parte separada do cinema, escondida e sem qualquer sinalização. Mas ao entrar nas salas, a experiência muda. A principal delas, com 426 lugares, tem poltronas confortáveis e maiores do que a média, assim como sua tela. 
Salas e horários. 


Metrô Tatuapé Cinemark

Inauguração: 1997; salas: 8

A visita ao cinema aconteceu em uma segunda-feira à noite, mas a fila para a compra de ingressos se aproximava daquelas observadas nos finais de semana. Enquanto havia poucos atendentes no caixa, os totens estavam vazios. Apresenta alguns problemas por ter salas planas, como é o caso da maior delas, a 1, que apesar de não ter degraus, destina espaço para cadeirantes apenas nos fundos. Já a mais diminuta, a 6, tem tela extremamente alta e quem senta nas poltronas da frente pode ter a visão bloqueada por pessoas altas.
Salas e horários.


Mooca Plaza Shopping Cinemark

Inauguração: 2011; salas: 6

Com seis salas, o complexo é disputado nos finais de semana, com longas filas e muita pipoca espalhada pelo chão. A simpatia dos funcionários não compensa o barulho e a sujeira, que às vezes se estendem para as projeções —ao visitar a sala 2 do cinema, a reportagem notou que sua porta ficou aberta durante a sessão, deixando som externo vazar, enquanto lá dentro poltronas faziam barulhos altos e incômodos. Por outro lado, tem tela grande para a média das salas de mesmo porte. Já a XD, a maior do local, segue o padrão de outras da Cinemark. Vale a visita por ser um dos apenas três cinemas da zona leste com filmes legendados.
Salas e horários.


Multimovie Itaim Paulista

Inauguração: 2006; salas: 3

No extremo da zona leste, já quase fora da cidade de São Paulo, o cinema é simples e tem apenas três salas. Com ingressos mais baratos que a média, dedica sua programação a grandes produções hollywoodianas, sempre dubladas. Tem poltronas confortáveis, mas peca por posicionar os cadeirantes na primeira fileira de suas salas, extremamente próximas da tela.
Salas e horários. 


Penha Moviecom

Inauguração: 2001; salas: 6

O cinema tem como um de seus trunfos o pouco tempo dedicado a trailers e comerciais —foram menos de dez minutos nas visitas da reportagem. Os funcionários também esbanjam simpatia e são bastante prestativos. Dentro das salas, porém, há problemas notáveis. No caso da maior delas, a 6, as poltronas são duras e desconfortáveis e foi inviável assistir ao filme na fileira dedicada a deficientes, porque a tela é muito alta. Já na menor, a 2, um chiado agudo e alto que parecia vir do ar condicionado atrapalhou a projeção. Ambas ainda têm som baixo e abafado.
Salas e horários.


Shopping D Cinemark

Inauguração: 2001; salas: 10

Totens de autoatendimento e bilheteria ficam em locais diferentes e o saguão do cinema tem aspecto de velho. Tanto a maior quanto a menor sala do complexo (a 3 e a 9, respectivamente) não foram pensadas para cadeirantes ou pais com carrinhos de bebê, já que a tela é muito alta para quem senta nas primeiras fileiras. No caso da sala mais enxuta, a rampa de acesso ainda tem grades que atrapalham a visão de quem senta nas poltronas da frente.
Salas e horários. 


Região Norte

Center Norte Cinemark

Inauguração: 2004; salas: 5

No dia da visita (11 de janeiro), três dos sete totens de autoatendimento não funcionavam. A reportagem encontrou problemas também nas duas salas visitadas, incluindo muitas poltronas fora de serviço e, na sala 4, a menor, uma ranhura no parte central da tela, visível toda vez que a imagem ficava clara. De acordo com a Cinemark, a rede “estava efetuando uma manutenção e o ar-condicionado estava operando parcialmente. Por isso a rede decidiu diminuir a capacidade da sala”. Coincidentemente, a mesma justificativa do ar foi usada há dois anos, quando problemas similares foram detectados. Sobre a tela, a Cinemark avisa que “uma manutenção já está programada”.
Salas e horários. 


Cineflix Cantareira Norte Shopping

Inauguração: 2016; salas: 5

Os seis totens de autoatendimento ficam logo na entrada do cinema, primeiro desta rede em São Paulo, mas dois não funcionavam no dia da visita. Quem preferir, pode comprar o ingresso direto na bonbonnière, que faz as vezes de bilheteria. Nas duas salas, poltronas bem conservadas. Na sala 2, a maior, os cadeirantes ficam posicionados na fileira C, com boa visibilidade. A programação é inteiramente dublada.
Salas e horários.


Lar Center Cinemark

Reinauguração: 2014; salas: 3

Todas as salas do Lar Center se tornaram especiais após a reinauguração: são duas VIP e uma XD. Poltronas com conforto extra de um lado e tela gigante do outro. Tudo certo, a não ser pelo dia da visita, 25 de janeiro, quando uma forte chuva atingiu a cidade e evidenciou goteiras nas duas salas avaliadas. Na VIP, o problema era no corredor de acesso, perto da porta de entrada; na XD, a goteira estava entre a primeira fila e a tela e seu som atrapalhava a projeção. De acordo com a Cinemark, o problema já foi resolvido.
Salas e horários. 


Metrô Tucuruvi Cinemark

Inauguração: 2013; salas: 6

O complexo mantém o jeitão de novo, com poltronas bem conservadas, além de boa distância para a tela mesmo na sala 4, a menor. Os cadeirantes também estão bem posicionados; na sala 6, XD, ficam na fileira J, com ótima visibilidade. No dia da visita, a reportagem testemunhou um cliente perguntando se estava passando “aquele filme do Paulo Gustavo”. O atendente respondeu que não. Mas estava, o filme era “Minha Vida em Marte”. A programação privilegia sessões dubladas, com uma ou outra sessão legendada apenas no fim do dia.
Salas e horários.


Santana Parque Shopping UCI

Inauguração: 2008; salas: 8

A sala Xplus é a atração do complexo, equipada com tela maior e som Dolby Atmos, o melhor de São Paulo. Alguns acentos com visibilidade ruim são automaticamente indisponibilizados no sistema, como os que ficam atrás da mureta ou a primeira fila, muito próxima da tela. Além da sala 1, a Xplus, outras duas dispõem de poltronas superseats, mais largas e confortáveis, que custam R$ 4 a mais.
Salas e horários.
 


Cinesala

Inauguração: 2015; salas: 7

Inaugurado em 2015, é um dos mais novos da rede em São Paulo, o que se reflete nas acomodações, confortáveis nas salas visitadas, e na tecnologia das salas. A maior, por exemplo, é XD, com tela e som superiores; ali, a primeira fila é bloqueada para venda ao consumidor, já que está muito próxima da tela. Duas das salas do complexo oferecem as poltronas D-Box, que se movimentam de acordo com a ação do filme. Na sala 3, uma das menores, os cadeirantes estão bem posicionados, na fileira D. Ponto negativo para a programação, inteiramente dublada.
Salas e horários.


Região Oeste

Cidade Jardim Cinemark

Inauguração: 2008; salas: 7

O shopping de luxo parece ser o local apropriado para a Cinemark instalar quatro salas VIP, incluindo um hall elegante e clean, com muita madeira e pôsteres de clássicos de Charles Chaplin, diferente do padrão da rede. As poltronas reclinam até deixar o cinéfilo praticamente deitado, bem confortáveis… e caras (R$ 68 ou até R$ 74 se o filme for 3D no fim de semana). Por um erro de projeção, a primeira fila da sala 3 está muito próxima da grade na frente e não é colocada à venda. Para completar, o complexo oferece poltronas D-Box (que chacoalham de acordo com os movimentos do filme) em outras duas salas.
Salas e horários.



Cinépolis JK Iguatemi

Inauguração: 2012; salas: 8

Sem avaliação.
Desde o começo do ano, o complexo, que já foi campeão em diversas categorias de avaliações passados do Guia, passa por ampla reforma. Tudo para receber a primeira tela de cinema em LED do Brasil. A reinauguração está prevista para a próxima semana e entre as outras novidades prometidas estão projeção a laser e poltronas maiores na sala 2, que já é VIP, além de mudança na tecnologia 4D, que passa da sala 2 para a 4. Lobby e banheiros também foram remodelados.

Cinesala

Inauguração: 2000; salas: 1

O cinema se orgulha de ser um dos poucos de rua da capital —em vídeo exibido antes do início dos filmes e em camisetas de funcionários, mensagens celebram sua existência. Com apenas uma sala, tem ótima e variada programação —são cerca de quatro filmes em cartaz por semana, além de eventuais sessões especiais de clássicos. Longa e estreita, a sala deixa suas últimas fileiras ligeiramente distantes da modesta dela, mas tem poltronas confortáveis, apesar de não reclinarem, e alguns sofás para quem quer assistir aos longas deitado sozinho ou com o companheiro. Tem som levemente abafado e com um pouco de eco.
Salas e horários


Cinesystem Morumbi Town

Inauguração: 2017; salas: 9

Inaugurado em 2017 e praticamente um caçula entre os grandes cinemas da cidade, o Morumbi Town foi escolhido o melhor cinema de São Paulo, um campeão inédito no 12º ano da avaliação do Guia.

Primeiro e ainda único complexo da paranaense Cinesystem na capital, o cinema com nove salas desbancou o Cinépolis JK Iguatemi, vencedor dos dois últimos anos, mas que não foi avaliado em 2019 por estar em reforma.

Versátil, o Morumbi Town se destaca em várias categorias —também foi considerado o mais confortável e o de melhor som, com o Dolby Atmos (que ainda equipa duas salas da UCI, no Jardim Sul e no Santana Parque).

O cinema preza pela automatização desde a entrada, com totens de autoatendimento no lugar da bilheteria. Até a pipoca e outras guloseimas funcionam no sistema self-service. Só depois o cliente passa por um caixa, onde também pode comprar o ingresso. 
Salas e horários.


Eldorado Cinemark

Inauguração: 2006; salas: 9

Tudo neste complexo parece grandioso, do hall, com poltronas e telão exibindo trailers, a quantidade de caixas e totens de autoatendimento (são nove, com oito funcionando no dia da visita). Até a sala 7, a menor, tem quase 200 lugares, além de boa distância da tela para a primeira fila, característica também verificada na sala 1, a maior, equipada com XD, com tela gigante e som THX. 
Salas e horários.


Espaço Itaú de Cinema - Pompeia

Inauguração: 2008; salas: 11

No shopping Bourbon, o cinema mescla programação acima da média com salas bem cuidadas, como a charmosa sala 10, com poltronas mais largas e confortáveis pelo mesmo preço da comum. A cereja do bolo, porém, é a sala Imax, a primeira do gênero em São Paulo e considerada a melhor no geral, muito por sua projeção. O cinema ainda conta com boas opções gastronômicas no próprio hall, incluindo o Café Scada e uma forneria, além da bonbonnière.
Salas e horários.


Iguatemi Cinemark

Inauguração: 2005; salas: 6

No shopping rodeado de lojas de alto padrão, tudo é clean neste complexo, a começar pela bilheteria, que reserva caixas exclusivos para clientes Prime do Bradesco, banco parceiro do cinema. As salas VIP (são duas) têm o padrão de conforto de outras da rede, com poltronas que praticamente deitam. A sala 1, a maior, tem pouco espaço entre tela e primeira fila, mesmo na segunda, a visibilidade não é ideal. Os cadeirantes ficam na terceira.
Salas e horários.


Jardim Sul UCI

Inauguração: 1999; salas: 9

Primeiro da rede UCI em São Paulo, mantém seu padrão de qualidade em hall clean e amplo. O destaque entre as salas é a 9, Xplus, com tela gigante e resolução de imagem acima da média, além do som Dolby Atmos, considerado o melhor sistema pelo Guia. Todas também estão equipadas com os assentos superseat na parte central da sala, são poltronas mais largas e confortáveis, por um custo extra de R$ 4. Não estranhe a ausência da sala 1, que deu lugar a um teatro.
Salas e horários.


Lapa Centerplex

Inauguração: 1999; salas: 3

Cinema mais simples na Vila Romana, com salas bem conservadas e preços mais amigáveis. Na sala 3, a maior, não há degraus, mas sim uma leve inclinação. As duas primeiras filas não são as melhores, com visibilidade ruim. Com programação inteiramente dublada, é um dos poucos na cidade que não oferece totem de autoatendimento.
Salas e horários. 


Raposo Shopping Cinemark

Inauguração: 2011; salas: 7

Ao contrário de outros complexos, normalmente localizados nos pisos superiores, este fica no subsolo, ao lado de um teatro. São apenas dois tamanhos de salas, as de 110 lugares (três) e as de 279 (as outras quatro), todas bem conservadas, mas sem diferenciais. Outra característica é a bilheteria fechada até o meio da tarde, com a bombonnière acumulando a função. Até por isso, são poucos os totens de autoatendimento, apenas três. Já a programação é 100% dublada.
Salas e horários.


Villa-Lobos Cinemark

Inauguração: 2000; salas: 7

Após passar por uma reforma, o cinema foi equipado com uma poltrona mais confortável e larga do que a tradicional da rede, mais próxima da VIP. Neste ambiente, inaugurou seu primeiro Movie Bistrô, com cardápio especial que inclui opções como pipoca com azeite trufado e mini-hambúrgueres. O espaço tem ainda duas salas equipadas com as poltronas D-Box, que se mexem de acordo com o filme, mas não funcionam com qualquer produção, como na sessão de “Creed 2”. Na sala 2, menor, a primeira fila é muito próxima da tela.
Salas e horários. 


West Plaza Cinemark

Inauguração: 2017; salas: 7

Por último, o cinema mais novo da Cinemark em São Paulo, inaugurado no mesmo shopping que antes abrigava um complexo da Playarte —que deu lugar a um teatro. A bilheteria fica perto da praça de alimentação, com as salas algumas escadas-rolantes acima. No dia da visita (8 de fevereiro), apenas três sessões eram legendadas (e nos últimos horários do dia), o restante, em português. A sala 1 também é uma inovação da rede; híbrida, ela é equipada com poltronas normais, na frente, e VIP, mais no fundo, com uma grade separando os dois estilos —a entrada da VIP também faz outro caminho. Na sala XD, a 7, o espaço entre primeira fila e tela é muito próximo. 
Salas e horários.

Região Sul

SP Market Cinemark

Inauguração: 2005; salas: 5

Três totens de autoatendimento estão dispostos logo na entrada do hall para a venda de ingresso. Quem não quiser comprar ali, tem de optar pela bonbonnière, que faz as vezes de bilheteria. No dia da visita, a luz de emergência estava apagada em algumas fileiras da sala 2, a maior. O problema também foi detectado na sala 5, a menor do complexo. A programação é inteiramente dublada.
Salas e horários. 


Cinépolis Largo 13

Inauguração: 2010; salas: 8

Do mesmo grupo do imponente JK Iguatemi, o complexo do Largo 13 é bem mais simples, assim como seu coirmão em Itaquera. No hall, ficam amontoados bilheteria, bonbonnière, totens de autoatendimento e, agora, um quiosque de milk-shakes. As poltronas são confortáveis e bem conservadas e a posição para cadeirantes na sala maior é boa, na fileira D. Mas os lugares das extremidades nas primeiras filas têm a visibilidade prejudicada. Já a programação é totalmente dedicada aos filmes dublados.
Salas e horários.


Interlagos Cinemark

Inauguração: 1998; salas: 10

Com mais de 20 anos nas costas, o Interlagos apresenta sinais de desgaste. No dia da visita (17 de janeiro), toda a fileira H do lado esquerdo da sala 10 (poltronas 9 a 16) estavam indisponíveis. Na sala, a menor do complexo, também não havia iluminação de emergência no chão. Na sala 2, a maior, cerca de 80 poltronas estavam fora de serviço (as três primeiras filas inteiras, mais as fileiras D, E e F do lado direito). De acordo com a Cinemark, estavam “efetuando uma manutenção preventiva e o ar-condicionado estava operando parcialmente”. Passado um mês, os lugares continuam fora de serviço. Sobre a iluminação no chão, a rede pede desculpas e diz que reforçou as orientações técnicas no complexo.
Salas e horários.


Kinoplex Itaim

Inauguração: 2003; salas: 6

Mais antigo complexo da rede carioca em terra paulistana, o Itaim tem um pé na rua e outro no shopping, numa esquina da rua Joaquim Floriano. Por aqui ainda não chegaram a Evolution ou a Imax, presente na rede em outras cidades. O diferencial do Itaim é o som THX, de qualidade superior, disponível na sala 6, uma das maiores. Tem também duas salas VIP, com poltronas largas e confortáveis que incluem descanso para os pés e mesa de apoio. Lugares com visibilidade ruim, como a E11 e a F13 da sala 4, tem a venda bloqueada.
Salas e horários. 


Kinoplex Vila Olímpia

Inauguração: 2010; salas: 7

Uma de suas marcas são as charmosas e confortáveis poltronas, no mesmo estilo do coirmão do Itaim, mas o trunfo são suas duas salas VIP, no fundo do cinema, com bonbonnière própria que vende pipoca gourmet, mais cara, e cerveja importada. No dia da visita (16 de fevereiro), a poltrona B4 da sala 6 (VIP) não reclinou como deveria. No fim da sessão, procurada, a gerência avisou que isso acontece, “pois o mecanismo para acionar a poltrona é muito frágil”. E que se a reclamação fosse no começo da sessão poderiam providenciar outro lugar, mas não ofereceram reembolso, apesar do ingresso custar R$ 75. O assento continuou disponível em sessões no dia seguinte.
Salas e horários. 


Market Place Cinemark

Inauguração: 2000; salas: 8

Apesar de ser um dos mais antigos da rede, que começou a operar por aqui em 1997, está em bom estado, com poltronas bem conservadas nas salas visitadas. A principal delas é a 2, com formato XD, tela e som superiores. Praticamente toda a última fileira da sala está indisponível, apesar de jovens usarem os assentos no dia da visita. Evite apenas as poltronas das extremidades, cuja visibilidade é prejudicada pela caixa de som. Cadeirantes ficam na primeira fila, um pouco incômoda, nesta sala.
Salas e horários. 


Metrô Santa Cruz Cinemark

Inauguração: 2001; salas: 9

Apesar de a numeração de salas ir até a dez, o complexo conta com nove espaços. A sala 9 dará lugar a um teatro, que deve abrir em breve. Os totens de autoatendimento ficam um piso acima da bilheteria, o que não é muito prático —apenas quatro funcionavam dos oito disponíveis no dia da visita. Uma das características do Santa Cruz são as grandes salas, mesmo as menores comportam mais de 200 pessoas, como a 5, cuja primeira fila é muito próxima da tela. A sala 10, a maior, oferece as poltronas D-Box, que se movimentam de acordo com a ação do filme.
Salas e horários. 


Plaza Sul Playarte

Inauguração: 2007; salas: 6

Outro complexo da Playarte que carece de mais atenção por parte dos administradores. No dia da visita, uma queda no sistema travou as vendas com cartão —só aceitavam dinheiro. Os dois totens de autoatendimento também estavam inoperantes. Após mais de duas horas dentro do cinema, o problema persistia na saída. As salas visitadas traziam empecilhos semelhantes, como a proximidade entre tela e primeira fila e cadeirantes na primeira fila. Na sala 4, uma das menores, o torcicolo para quem sentar ali é quase garantia.
Salas e horários.


SP Market Cinemark

Inauguração: 1998; salas: 11

Suas 11 salas oferecem mais de 2.600 lugares, o que torna o complexo um dos maiores de São Paulo. Mas apesar da oferta farta, toda a programação é dublada. Na sala XD, com tela gigante, a posição dos cadeirantes na fileira B não é a mais adequada. As duas primeiras filas também ficam muito próximas na sala 6, a menor. Já na 9, a maior, um chiado constante incomodou durante a sessão de “Minha Vida em Marte” no dia da visita (1º de fevereiro). De acordo com a assessoria do cinema, uma manutenção no sistema de som foi feita.
Salas e horários. 

SALAS ESPECIAIS

CCBB

Inauguração: 2001; salas: 1

Uma particularidade desta sala: não é permitido entrar com comida, portanto, nada de pipoca. Pequenina, é confortável apesar de não ter poltronas próprias de cinema. Tem excelente programação de mostras a ótimos preços, além de atendimento cordial. Na hora de subir para o andar da sala, porém, as filas de exposições e outras atividades se misturam e geram confusão.
Sala e horários. 


CCSP

Inauguração: 1982; salas: 2

O grande destaque das salas do centro cultural é a programação, que mistura lançamentos que não encontram espaço no circuitão e mostras criativas. Tem boa projeção e som alto, melhor do que o de algumas salas de redes da cidade. Ele não é suficiente, porém, para disfarçar a sinfonia de rangidos das cadeiras, desconfortáveis e que balançam. O espaço entre as fileiras também é ruim: fica complicado alcançar os assentos do meio quando há pessoas nas pontas.
Salas e horários. 


Cine Segall

Inauguração: 1973; salas: 1

Com público mais velho e programação dedicada a filmes pequenos, parece um auditório. Tem tela pequena, mas boa projeção, enquanto as poltronas são extremamente duras e desconfortáveis. Ponto positivo por dedicar um horário por semana para a exibição de clássicos.
Salas e horários. 


Cinemateca Brasileira

Inauguração: 1997; salas: 2

Embaixada do cinema na cidade, a Cinemateca tem dividido sua programação entre a tela externa e a sala BNDES. Nela, as poltronas são confortáveis e a tela é boa. O problema ficou com a projeção: na visita da reportagem, o filme exibido não ocupava toda a tela e ficou com uma moldura em seu entorno. Uma das portas traseiras foi esquecida aberta, deixando claridade e sons entrarem no ambiente. Apesar dos empecilhos, promove boas mostras.
Salas e horários. 


Cinesesc

Inauguração: 1979; salas: 1

Inaugurado em 1979, 0 Cinesesc mantém o trono de melhor sala especial na avaliação do Guia e chega ao nono título no quesito.

Sua fórmula continua imbatível ao combinar o melhor dos dois mundos —o cinema traz os preços baixos e a programação diferenciada tradicionais do circuito alternativo aliados ao conforto e à qualidade de projeção das salas comerciais. Em seu portfólio, o cinema traz ainda mostras tradicionais exclusivas, como a retrospectiva com os melhores do ano ou um panorama do cinema nacional. Além disso, pode se gabar de ter um bar de frente para a tela.

Na visita do Guia, porém, um problema: a retirada de ingressos pode ser um incômodo para quem compra ​online e ainda assim precisa passar no guichê —com longas filas e pouca sinalização em sessões mais disputadas.
Salas e horários. 


Cinusp


Inauguração: 1993; salas: 1

Ganha pontos por exibir, com frequência, raridades em suas mostras dos mais variados temas. Localizada na cidade universitária, a sala costuma ser frequentada, quase que exclusivamente, por alunos da USP, e tem infraestrutura simples.
Salas e horários.


IMS Paulista

Inauguração: 2017; salas: 1

Uma das salas mais recentes da cidade, o cinema do IMS combina clássicos, filmes quase desconhecidos e peculiaridades do circuito. A projeção é boa e tem assentos confortáveis, embora a tela fique muito alta em relação à primeira fileira. Quem estiver com mochila precisa deixá-la no guarda-volumes do centro cultural, o que pode ser encarado como ponto positivo ou negativo.
Salas e horários.


Matilha Cultural

​Inauguração: 2009; salas: 1

Gratuito, o cinema costuma dar sobrevida a filmes de pouca bilheteria na cidade, depois que saem do circuito. A sala tem poltronas vermelhas com aspecto vintage, que, apesar de confortáveis, estão mal conservadas —uma delas tinha um grande pedaço de chiclete grudado no assento. No dia da visita, o ar-condicionado estava congelante e as cabeças dos atores de “Pixote - A Lei do Mais Fraco” (1981) foram cortadas na projeção.
Salas e horários.


Spcine Olido

Inauguração: 2004; salas: 1

Um dos poucos remanescentes da era dos cinemas de rua, o Olido desaponta pela infraestrutura da sala, com cadeiras antigas e acústica ruim. No dia da visita, o ar-condicionado estava quebrado e não havia previsão para conserto. Contatada, a Spcine afirma que, em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura, prevê a manutenção do ar condicionado para março.
Salas e horários. 

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais