Descrição de chapéu gay
Passeios

Artistas da cena LGBT contam o que gostam de fazer e os lugares que frequentam em SP

Leia as respostas e sugestões das 11 pessoas convidadas pelo Guia

Leonardo Sanchez
São Paulo

Para curtir São Paulo além da 22ª Parada do Orgulho LGBT, 11 artistas convidados pelo Guia contam o que costumam fazer quando estão na cidade.

Centro da montação
“Eu gosto da rua Vinte e Cinco de Março e da ladeira Porto Geral. Eu sou drag queen e nem preciso dizer o quanto eu amo ir atrás de tecidos, tintas, maquiagens, cabelos e acessórios. Também gosto de ir despretensiosamente à praça Roosevelt, por ser um lugar recheado de teatros e de bares, além de pizzarias e esfirrarias. Quase sempre o fervo ali é mais legal que o das boates.”
Gloria Groove, paulistana, cantora

Ao ar livre
“Gosto de ir em feiras passear e experimentar comidinhas. A da praça Benedito Calixto é ótima e gosto muito da feira da Liberdade. Vou mais frequentemente à feirinha perto de casa para comprar legumes e verduras (e para comer pastel). Curto também o Beco do Batman [r. Gonçalo Afonso, Vila Madalena] e o Mirante 9 de Julho [r. Carlos Comenale, Bela Vista]. São exposições a céu aberto e têm uma vista astral e um clima gostoso para tomar um drinque com o amor.”
Ellen Oléria, de Brasília, cantora

Até o último cliente
“Nesse momento da vida eu sento no último andar do UP Cozinha & Bar [r. Antônio Carlos, 395, Consolação] e fico até fechar. É despretensioso e eu recomendo.”
Rico Dalasam, de Taboão da Serra (SP), cantor

Caminhada cervejeira
“1. Visitar o aquário da Água Branca [av. Francisco Matarazzo, 455, Água Branca], curtir o parque, comprar a primeira latinha de cerveja pontualmente às 11h, assistir às crianças e comer um pastel; 2. Voltar a pé pelo Minhocão (comprando as cervejas dos ambulantes) e atravessar o elevado até chegar na Consolação, tomar uma cerveja de garrafa na praça Roosevelt; 3. Almoço no restaurante Marajá [r. Martins Fontes, 153, Centro], tomar uns chopes; 4. Pegar o metrô na República com a latinha do boteco em frente escondida na bolsa e descer no metrô Santa Cecília para tomar umas cachaças digestivas em algum boteco do largo da igreja; 5. Caminhar pelos bares do baixo Santa Cecília bebendo, terminar no bar Espetinho [av. Angélica, 56, Santa Cecilia] e beber até escurecer total. E então partir pro uísque paraguaio ou gim nacional; 6. Terminar a noite dançando no Boteco Pratododia [r. Barra Funda, 34, Barra Funda] sabe-se lá como.”
Bruna Beber, de Duque de Caxias (RJ), poeta

Amizade verdadeira
“Os programas que mais gosto são aqueles que posso curtir com os amigos, aliando um bom lugar e diversão. Dois que curto bastante são o Escape 60 [av. Rebouças, 765, Cerqueira César] e a Ludus Luderia [r. Treze de Maio, 972, Bela Vista].”
Hugo Bonemer, de Maringá (PR), ator, em cartaz com “Ayrton Senna, o Musical” 

Sons e sabores
“Amo morar em São Paulo. Amo principalmente a gastronomia, que é uma profusão de restaurantes e costuras. Costumo dizer que a cidade tem muito de tudo. Amo visitar os restaurantes —nordestinos, italianos, gregos, peruanos. Além disso, gosto muito da Nossa Casa Confraria das Ideias [r. Mourato Coelho, 1032, Pinheiros], que tem um público muito heterogêneo de héteros, bis, gays, lésbicas, trans e, além de tudo, toca muita música brasileira. Além disso, amo o samba de São Paulo. Sempre frequentei o bar Amazonas [r. Boturoca, 16, Butantã], que tem uma velha guarda tocando um samba tradicional que eu amo.”
Assucena Assucena, de Vitória da Conquista (BA), cantora d’As Bahias e a Cozinha Mineira

Negritude do samba
“Eu gosto de samba. Geralmente estou no Bar Templo [r. Guaimbé, 322, Mooca], na Vila do Samba [r. João Rudge, 340, Casa Verde], ou na Vai-Vai [r. São Vicente, 276, Bela Vista]. Esses são os lugares que mais me encantam na cidade porque são espaços de confraternização hegemonicamente da negritude paulistana. Tenho apreço à música e à simbologia desses espaços.”
Raquel Virgínia, paulistana, cantora d’As Bahias e a Cozinha Mineira

Turista gastronômico
“Eu gosto muito da rua Avanhandava, que é uma rua turística, belíssima e superinteressante para tomar drinques e comer. Ela fica ao lado da praça Roosevelt, que também oferece diversas opções de bares para quem quer estender a noite. O Lekitsch [pça. Franklin Roosevelt, 142, Consolação] é onde eu sempre estou.”
Mateus Carrilho, de Goianésia (GO), cantor e integrante da Banda Uó

Entre lanches e lutas
“Adoro ir ao Mercado Municipal [r. da Cantareira, 306, Centro], por seu clima ao mesmo tempo sofisticado e simples, que me deixa babando diante das bancas de queijos, de temperos, de peixes e de carnes. Além disso, dentro da estação República do metrô está instalado o Museu da Diversidade Sexual, um lugar que me dá muito orgulho visitar e cujas exposições me encantam.”
João Silvério Trevisan, de Ribeirão Bonito (SP), escritor e ativista

Drinques e drags
“Atualmente, meu programa favorito tem sido ir ao bar Metropol, que fica no segundo piso da galeria Metrópole [av. São Luís, 187, República], às quintas-feiras. Eles passam RuPaul’s Drag Race em streaming ao vivo e nos intervalos tem músicas e drinques. É muito divertido. Também costumo ir ao Tokyo [r. Mj. Sertório, 110, Vila Buarque], que abriu recentemente.”
Jaloo, de Castanhal (PA), cantor e ator, em cartaz com o filme “Paraíso Perdido” 

Grande avenida
“Meu lugar preferido em São Paulo é a avenida Paulista e tudo o que ela comporta: o Masp, o Sesi, o Itaú Cultural, as passeatas, as paradas, as manifestações, a arquitetura, o Conjunto Nacional e a Livraria Cultura. Nós ainda ganhamos recentemente o Sesc Avenida Paulista, o Instituto Moreira Sales e a 
Japan House.”
Renata Carvalho, de Santos (SP), atriz

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais