Espaços culturais animam Galeria Ouro Velho

O espaço, construído em 1963 na rua Augusta, passa por renascimento cultural

Ana Luísa Moraes
São Paulo

Librería Española e Hispanoamericana
Cristina Pacheco, dona da livraria focada no idioma espanhol, é também a síndica da Galeria Ouro Velho , na rua Augusta. Ela é uma das responsáveis pelo recente renascimento cultural do espaço, que agora serve como set de filmagem para longas e comerciais e locação para feiras, exposições e shows. 

Sensorial Cervejas e Discos
Quem entra no local pode até achar que se trata apenas de uma loja de vinis e cervejas. A surpresa aparece ao descer a escada: um bar subterrâneo que também funciona como café. Os donos pretendem convidar bandas independentes para animar o espaço. 

Pessoas em uma galeria
Feiras, shows e exposições agitam a galeria - Marcelo Costa - Scream & Yell/Divulgação

Ugra - Quadrinhos & Contracultura
A loja  tem quadrinhos underground, filmes obscuros, autopublicações, fanzines e “qualquer tipo de arte provocativa/subversiva”. Também funciona como ambiente para eventos de lançamento e cursos. O próximo, sobre quadrinhos, vai começar no dia 4 de agosto. 

Há 55 anos na Augusta
Construída em 1963, a Galeria Ouro Velho foi desenhada pelo arquiteto e urbanista Jorge Wilheim (1928-2014), responsável também pela galeria Ouro Fino e por outros projetos de reurbanização na cidade. Com esses espaços, Wilheim propôs uma alternativa aos prédios comerciais para criar pontos de encontro na cidade.

R. Augusta, 1.371, Consolação, região central, tel. 3251-0294. Seg. a sex.: 8h às 21h. Sáb.: 8h às 20h. Livre. GRÁTIS

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais