Peça suíça sem atores é a melhor do ano segundo júri; leitores elegem 'Wayra'

A melhor peça internacional do ano, segundo os jurados convidados pelo "Guia", é a suíça "Stifters Dinge", que fez parte da programação da MITsp (Mostra Internacional de Teatro de São Paulo) e esteve em cartaz em março no Sesc Ipiranga.

O espetáculo sem atores, encenado pela companhia Théâtre de Vidy-Lausanne, sob a direção do alemão Heiner Goebbels, coloca em cena uma máquina composta de pianos, caixas de som e espelhos.

Para os leitores que votaram na enquete, o melhor peça foi a argentina "Wayra", do grupo Fuerza Bruta. Com uma série de números mirabolantes e grandiosos, o grupo prende a atenção do público com música, dança, voos e muitas cores. Entrou em cartaz em abril no Ginásio Mauro Pinheiro.

Na edição desta sexta-feira (25) do "Guia Folha", veja os votos e os comentários de cada jurado. Confira os demais campeões.

Saiba quais as melhores peças de teatro do ano segundo público e jurados
'Urinal' é o musical do ano segundo júri; público escolhe 'Nuvem de Lágrimas'



MELHOR PEÇA INTERNACIONAL

VOTO DO JÚRI

1º lugar
"Stifters Dinge" (8 pontos)

2º lugar
"Incêndios" (4 pontos)

3º lugar
"Ionesco Suite", "Cinzas sobre as Mãos" e "A Gaivota" (3 pontos)


JURADOS

Gustavo Fioratti
colaborador da "Ilustrada"

1º lugar - "Stifters Dinge" (Suíça)
Sem atores, mas com alma

2º lugar - "A House in Asia" (Espanha)
O cerco a Bin Laden em jogo

3º lugar - "Senhorita Júlia" (Alemanha)
Silencioso e brutal


Maria Luísa Barsanelli
editora-assistente da "Ilustrada"

1º lugar - "Ionesco Suite", do Théâtre de la Ville (França)
A sobriedade da loucura de Ionesco

2º lugar - "Incêndios" (México)
Soco no estômago (no bom sentido)

3º lugar - "Solos (Seuls)" (França)
Alma destrinchada


Miguel Arcanjo Prado
crítico de teatro, vice-presidente da APCA e repórter teatral do UOL

1º lugar - "Cinzas sobre as Mãos" (Moçambique)
Lareiras Artes clama por paz e direitos humanos na África

2º lugar - "Wayra", do Fuerza Bruta (Argentina)
Argentinos voadores vibram todos os nossos sentidos

3º lugar - "Incêndios" (México)
A violência da guerra é reforçada pela ironia do destino


Ruy Filho
crítico de teatro e editor da revista "Antro Positivo"

1º lugar - "Stifters Dinge" (Suíça)
Nada supera a experiência poética dessa obra de arte

2º lugar - "Underart" (Suécia)
A melancolia no fracasso do pouso leva o público a voar

3º lugar - "Incêndios" (México)
A mais forte história, com a mais brilhante atriz: Karina Gidi


Wellington Andrade
crítico de teatro e editor da revista "Cult"

1º lugar - "A Gaivota" (Rússia)
Um Tchékhov altissonante e tonitruante, um meio-irmão de Zeus

2º lugar - "Stifters Dinge" (Suíça)
Coisa-máquina que engendra uma fascinante experiência de "alteridade sem pessoa"

3º lugar - "Senhorita Júlia" (Alemanha)
Estudo sobre o rosto no teatro e no cinema, entre a verdade íntima e a transparência


CRITÉRIOS DA ELEIÇÃO

Cada integrante do júri elegeu três destaques em ordem de preferência. Foram atribuídos pontos da seguinte maneira:

1º colocado - 3 pontos
2º colocado - 2 pontos
3º colocado - 1 ponto

Em caso de empate no número de pontos, ficou na frente quem obteve votos com melhor classificação. Por exemplo, um voto em primeiro lugar (3 pontos) vale mais do que três votos em terceiro lugar (que também totalizam 3 pontos).


VOTO DO PÚBLICO

1º lugar
"Wayra", do Fuerza Bruta, da Argentina

2º lugar
"Incêndios", do México

3º lugar
"O Terno", da Inglaterra


Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais

Mais lidas