Premiado em Veneza, documentário 'Babenco', de Bárbara Paz, será exibido na Mostra

Além do filme-homenagem, programação conta com mais dois documentários sobre cineastas

São Paulo

O diretor Hector Babenco sabia que não tinha muito tempo de vida quando deu anuência à mulher, Bárbara Paz, para filmá-lo em sua luta contra o câncer. Mas o cineasta só morreria três anos mais tarde (em 2016), então um material opulento foi registrado no período.

Cineasta Hector Babenco entra no mar
Cena de 'Babenco' (2019), de Bárbara Paz - Acervo pessoal

É de lá que veio grande parte das cenas de “Babenco – Alguém Precisa Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, filme-homenagem que ganhou o prêmio de melhor documentário Venezia Classici, no Festival de Veneza, e terá sessão no Theatro Municipal no domingo (20), às 20h30.

A priori, o próprio conceito do documentário pode soar um bocado sensacionalista —e até meio mórbido. Mas Bárbara Paz conduz tudo com delicadeza e lirismo: se poderia haver peso, o filme traz poesia. A diretora celebra a obra de Babenco e, ao mostrá-lo sempre tenaz em sua luta contra a morte, ressalta a extraordinária paixão pela vida do cineasta.

Há, sim, muitas imagens de Babenco no hospital, ou mesmo se tratando em casa, e é claro que existe ali muita tristeza. Mas as próprias falas dele espantam qualquer deslize autopiedoso ou excessivamente depressivo. É um filme estranhamente vivo, até solar.

Conta também com cenas inesquecíveis de filmes do diretor, de seu arquivo pessoal e de entrevistas. E há imagens curiosas, como as em que Babenco aparece como ator, nos filmes em que participou como figurante, ainda no comecinho da carreira.

A Mostra destaca também outros dois documentários sobre cineastas de prestígio que, em cena, comentam sua própria obra: o brasileiro Eduardo Coutinho e o soviético Andrei Tarkovski.

Em “Banquete Coutinho”, de Josafá Veloso, o diretor do documentário “Cabra Marcado para Morrer” dá depoimentos sobre sua concepção de cinema e, inevitavelmente, acaba falando bastante de si próprio. E em “Andrey Tarkovsky: Uma Oração de Cinema”, é o cineasta de “Solaris” quem solta o verbo, gerando um material imperdível para qualquer cinéfilo. A direção ficou a cargo do próprio filho do cineasta, Andrei A. Tarkovski.

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais