Descrição de chapéu clima
Passeios

Mudanças climáticas são tema de exposição interativa no Museu Catavento

Exposição em São Paulo é gratuita e exibe os impactos da crise do clima nas cidades

Camila Maciel
São Paulo

O Museu Catavento, em São Paulo, recebe a exposição "O Dia Seguinte". Com espaços lúdicos e sensoriais, a proposta é que o público vivencie os efeitos das mudanças climáticas e suas consequências para as cidades. A exposição é gratuita e segue em cartaz até 14 de novembro na área externa do museu.

“A gente ainda sente que as pessoas consideram as mudanças climáticas como um problema que não é delas, como o problema do futuro, que não vai acontecer nada relacionado à sua vida, que tem os problemas mais urgentes”, aponta Felipe Lobo, diretor da produtora Na Boca Do Lobo, idealizador e realizador do evento.

A proposta foi transformar um tema complexo e científico em uma experiência. “É uma exposição imersiva, sensorial, interativa e lúdica para a gente conseguir falar com maior número possível de pessoas, por isso ela é gratuita também, e tratar desse tema de uma maneira diferente, unindo arte, cultura, educação e conhecimento”, diz.

A exposição parte da ideia de qual cidade queremos no futuro. Para isso, são apresentados modelos de desenvolvimento com bons e maus impactos para o clima, a partir de temas como infraestrutura, paz e segurança, saúde, igualdade de gênero, justiça climática, direitos humanos, segurança alimentar e energia.

Projeções, pisos de LED, telas interativas, animações, jogos e experiências empíricas são os recursos utilizados para provocar uma reflexão sobre como as cidades podem ajudar a construir um futuro sustentável. A mostra destaca, por exemplo, que, segundo a Organização das Nações Unidas, os centros urbanos ocupam apenas 3% da superfície do planeta, mas consomem 70% de toda a energia gerada no mundo.

No módulo [Des]ordem, painéis de LED mostram imagens de eventos climáticos extremos
No módulo [Des]ordem, painéis de LED mostram imagens de eventos climáticos extremos - Higor Bono - Cognição Eletrônica/Divulgação

“É nas cidades que está a maior parte do PIB Mundial, as grandes metrópoles com os principais recursos financeiros e tecnológicos para fazer as mudanças. A gente precisa tratar as cidades como causadores e como sofredores de consequências”, afirma Lobo.

A vivência da exposição passa por cinco módulos. Na parte "[Des]ordem", a proposta é refletir como a desigualdade social nas cidades faz com que os impactos climáticos sejam mais sentidos por populações economicamente vulneráveis. Em "[Des]humanidades", a exposição apresenta histórias de pessoas impactadas pelos eventos climáticos extremos.

No módulo [Trans]formação, há uma projeção mapeada nas paredes e no piso
No módulo [Trans]formação, há uma projeção mapeada nas paredes e no piso que falam sobre a história da humanidade - Higor Bono - Cognição Eletrônica/Divulgação

No módulo "[Trans]formação", a história da humanidade é apresentada com animações em 2D e 3D projetadas em paredes, no piso e em um globo terrestre. Em "[R]evolução", último módulo da exposição, o público vai conferir mensagens de esperança apresentadas em torres de LED, que mostram uma cidade do futuro possível.

A exposição segue um modelo de compensação de carbono e tem o Programa Amigo do Clima como parceiro. Além disso, o conteúdo está em audioguias e em Libras, gravados sequencialmente e disponibilizados em tablets.

O Dia Seguinte

  • Quando De terça a domingo, das 9h às 17h. Até 14 de novembro
  • Onde Museu Catavento - av. Mercúrio, s/nº, Parque Dom Pedro II
  • Preço Grátis
  • Agendamento de visitas pelos telefones (11) 3246 4067 /4140/ 4167
Agência Brasil

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais