Saiba como serão os três andares do novo Museu da Língua Portuguesa, reaberto após incêndio

Após quase seis anos fechado em SP, espaço recebe o público geral em 1º de agosto

Prédio onde está o Museu da Língua Portuguesa, que foi reformado e fica na região da Luz, em São Paulo

Prédio onde está o Museu da Língua Portuguesa, que foi reformado e fica na região da Luz, em São Paulo Eduardo Knapp/Folhapress

São Paulo

Como se sabe, um incêndio em dezembro de 2015 destruiu parte do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo. Até então, ao longo de quase dez anos, o local tinha recebido 3,9 milhões de visitantes. Serão ao todo 2.049 dias de portas fechadas para o público em geral.

Com duração de 36 meses, a reconstrução ficou a cargo do governo paulista em parceria com a Fundação Roberto Marinho. O museu, no centro da capital, volta a funcionar, enfim, em 1º de agosto, após uma reforma de R$ 85,8 milhões.

Mas chega de números —o lugar é das palavras. Ao que interessa: o museu mudou muito? Não, é igual àquele que se conhecia antes das chamas. E, sim, está bem diferente.

Igual porque mantém o propósito de apresentar a diversidade da língua portuguesa de modo instigante. Segundo Isa Grinspum Ferraz, curadora das exposições de longa permanência ao lado de Hugo Barreto, o objetivo é promover um “diálogo surpreendente entre tempos e espaços e convidar o visitante a pensar na língua como um objeto cheio de histórias e variantes”.

Os eixos principais, diz ela, são os mesmos da época da inauguração —a antiguidade da língua portuguesa do Brasil, a presença global do idioma, o sincretismo da língua e o idioma como entidade viva, em permanente reinvenção.

Por outro lado, mudou bastante. De acordo com Sérgio Sá Leitão, secretário estadual de Cultura, cerca de 80% do conteúdo expositivo é novo. Um destaque entre as criações recentes é a instalação “Falares”, com depoimentos de todas as regiões do Brasil.

Imagem do Espaço Falares, que reúne vídeos e áudios de pessoas anônimas e famosas - Eduardo Knapp/Folhapress

É diferente ainda a forma de abordar esse conteúdo, afirma Marília Bonas, diretora do espaço. “O museu nasceu em 2006 com ênfase na celebração da língua. Isso não se perdeu, ainda é importante, mas estamos também atentos à diversidade. As exposições refletem as lutas identitárias.”

É um “museu pós-Black Lives Matter”, diz. A participação de Ricardo Aleixo, poeta e expoente do ativismo negro, na Rua da Língua é uma das marcas desse novo olhar.

O espaço retorna de um outro jeito também por causa da pandemia. Permitirá a entrada de 40 pessoas a cada 45 minutos, com agendamento pela internet, que poderá ser feito a partir da semana que vem.

Além disso, para evitar aglomerações, visitantes terão de seguir um trajeto previamente definido, como fez a Folha.

3º andar

Aqui começa a visita. Quando as portas do elevador se abrem, estamos diante de “Falares”, uma das novas experiências audiovisuais.

É uma instalação com nove grandes telas verticais, que mostram anônimos e famosos em tamanho natural. Cada painel está voltado a um determinado perfil etário, social ou profissional.

Sob a consultoria do escritor Marcelino Freire e da slammer e atriz Roberta Estrela D’Alva, o mosaico reúne rezas, brincadeiras, interpretações de textos teatrais e cantos, que revelam, cada qual a seu modo, a potência da nossa língua.

A Praça da Língua fica no terceiro andar; com vídeos projetados em 360 graus, este foi um dos espaços reabertos - Eduardo Knapp/Folhapress

Como diz Hugo Barreto, um dos curadores, há “encontros, desencontros e até confrontos”, como vídeos com críticas de líderes indígenas à imposição do idioma português aos povos originários do Brasil.

Mais adiante, o visitante chega ao auditório. No filme “O que Pode esta Língua”, o diretor Carlos Nader discute, com certa engenhosidade e humor, como se deu o desenvolvimento da linguagem.

O passo seguinte é um clássico do museu —“Praça da Língua”, espetáculo de luz e som em ambiente que se assemelha a um planetário. É onde o poeta Haroldo de Campos encontra a dupla Caju e Castanha, entre outras homenagens originais às palavras.

2º andar

Instalação que percorre um corredor de 106 metros, “Rua da Língua” é uma herança da versão anterior do museu, mas os vídeos de média duração deram lugar a insights poéticos curtos, que exploram bem as possibilidades visuais de um painel tão longo. Entre os criadores, estão Guto Lacaz e Arnaldo Antunes.

Pessoas caminham por corredor que exibe projeções em vídeo
A Rua da Língua, no segundo andar, é um corredor com mais de cem metros que recebe projeções em vídeo - Eduardo Knapp/Folhapress

Uma das novidades do piso é “Nós da Língua”, passeio por textos escritos, imagens e sons das nações que integram a CPLP, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Na parede oposta à “Rua da Língua”, a linha do tempo foi aprimorada, incorporando vídeos didáticos, transmissões musicais e objetos raros, como uma tigela de cerâmica tupinambá, emprestada pela USP.

1º andar

Exuberantes estandartes de maracatu recebem os visitantes no início da mostra temporária “Língua Solta”, em cartaz até 3 de outubro. É o desfecho do giro pelo museu.

“É uma exposição polifônica, que rompe a hierarquia entre o erudito e o popular”, diz Marília Bonas sobre a mostra com curadoria de Moacir dos Anjos e Fabiana Moraes.

Obras de nomes consagrados, como Bispo do Rosário e Leonilson, aparecem ao lado de criações contundentes de artistas em ascensão, caso de Jaime Lauriano e Denilson Baniwa. Dividem o espaço ainda com o humor das ruas, na forma de cartazes e rótulos de cachaça, e das redes sociais, caso dos memes da página Saquinho de Lixo.

Museu da Língua Portuguesa

  • Quando Abertura para convidados em 31/7 e para o público em 1º/8. Ter. a dom., 9h às 18h
  • Onde Pça. da Luz, s/nº, portão 1, Bom Retiro, região central
  • Preço R$ 20 (grátis aos sábados)
  • Ingressos Sympla.com.br (a partir da próxima semana; dia ainda não definido)

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais