Cinesala é o cinema de SP mais bem adaptado à pandemia, diz avaliação da Folha

Endereço em Pinheiros apresenta boa higienização e segue recomendando o uso de máscara

Em preto e branco. Em primeiro plano uma perna passa a frente em uma imagem fotografada de forma mais baixa. Ao fundo um homem de laranja e cinza, também em desenho, entra em uma sala de cinema.

O Cinesala foi o cinema que melhor se adaptou a pandemia Ilustração de João Montanaro sobre foto de Rubens Cavallari/Folhapress

Ana Elisa Faria
São Paulo

Não é segredo que a indústria cinematográfica foi um dos setores que mais sofreram com a pandemia de coronavírus. Desde março de 2020, as salas de cinema de São Paulo apagaram e acenderam os projetores, desligaram e religaram as pipoqueiras e fecharam e abriram as portas, num vaivém que baqueou estúdios e exibidores.

Agora todos já estão em pleno funcionamento e com capacidade total, mas tiveram que inserir mais uma camada de cuidados no caminho até aqui: o respeito a uma série de regras sanitárias para evitar a proliferação da Covid-19.

Entre os endereços paulistanos, quem melhor se adaptou à pandemia foi a Cinesala, campeã da categoria que, por motivos óbvios, faz neste ano a sua estreia na avaliação dos melhores cinemas da capital.

O cuidado na higienização após as sessões, os simpáticos recados educativos pendurados pelos ambientes e os adesivos colados no chão alertando sobre o distanciamento entre as pessoas foram determinantes para o cinema de rua ganhar a nota máxima no quesito.

No período em que a avaliação foi feita, o uso de máscara em locais fechados ainda era obrigatório em São Paulo —desde o último dia 17, porém, o uso passou a ser facultativo, sendo exigido apenas em transportes públicos e hospitais.

Para pegar um filminho, o visitante devia apresentar o comprovante de vacinação e aferir a temperatura na entrada. Outras adaptações do espaço foram a troca do tecido das poltronas para couro vegetal, que facilita a higienização, e a disponibilização de álcool em gel para os clientes.

Com a liberação do uso da proteção facial no estado, a Cinesala anunciou que segue recomendando a máscara dentro da sala, e que continuará exigindo a carteirinha de vacinação, mas não medirá mais a temperatura dos visitantes.

Mesmo assim, o endereço segue campeão na categoria. Isso porque, durante a maratona de avaliações, feita entre fevereiro e o dia 11 de março deste ano, o Guia encontrou complexos já com regras afrouxadas. Pela prefeitura, os protocolos vigentes eram o funcionamento com a capacidade total de ocupação, mas com obrigatoriedade da utilização de máscara durante o tempo inteiro do filme, com exceção apenas no momento de comer e beber.

Somente alguns poucos cinemas seguiram essas normas. Não foi raro encontrar totens de álcool em gel vazios e locais com parte do público usando a máscara no queixo, sem qualquer tipo de aviso ou de repreensão por parte dos funcionários.

Poucos cinemas apresentaram diretrizes mais consistentes em prol da segurança. Além dos protocolos básicos, Cinesala, CCBB, CCSP, Satyros Bijou, Cinesesc, Cine Segall, Reserva Cultural e as três unidades da rede Kinoplex foram os únicos lugares que pediram a carteira de vacinação.

Procurados, todos os complexos avaliados disseram que continuarão recomendando a utilização de máscara, mesmo com o uso não sendo mais obrigatório. Mas nenhum irá barrar quem não estiver com ela no rosto.

Como se proteger do coronavírus

  • Nesta fase de baixa transmissão da Covid-19, quem está com o ciclo vacinal em dia e não tem fatores de risco pode frequentar o cinema sem neuras
  • Nas salas, é bom estar de máscara —mas, se a sessão não estiver cheia, não precisa utilizá-la o tempo inteiro
  • A proteção pode ser de pano com, no mínimo, três camadas ou uma cirúrgica, desde que ela esteja bem ajustada ao seu rosto
  • Espere por volta de uma semana para curtir aquele filminho caso tenha tido contato com alguém doente ou apresentado sintomas da Covid-19

Fonte: Marcelo Nascimento Burattini, professor de infectologia da Unifesp

Cinesala

  • Onde R. Fradique Coutinho, 361, Pinheiros, região oeste
  • Ingressos A partir de R$ 30
  • Nota 5
  • Site cinesala.com.br
  • Acessibilidade
    • Transtorno do Espectro Autista – TEA
      Transtorno do Espectro Autista – TEA Há atendimento prioritário a pessoas com autismo, adaptação de som, luz e temperaturas locais

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais