'Deslembro' recorda período da ditadura no Brasil

Filme mostra adolescente que deixa Paris contra a vontade e volta ao país após a anistia

Cena do filme 'Deslembro', em cartaz na 42ª Mostra
Cena do filme 'Deslembro', em cartaz na 42ª Mostra - Divulgação
Naief Haddad
São Paulo

A ditadura militar no Brasil tem sido tema de muitos documentários. Há ao menos uma obra-prima, “Cabra Marcado para Morrer” (1984), de Eduardo Coutinho, e uma série de filmes muito bons, como o recente “Soldados do Araguaia” (2017), de Belisário Franca.

Por outro lado, existem poucas ficções aptas a refletir sobre o impacto do regime autoritário na vida brasileira. “Hoje” (2011), de Tata Amaral, é dos raros casos bem-sucedidos.

 

"Deslembro” é muito bem-vindo, portanto. O filme, dirigido por Flavia Castro, está entre os mais relevantes da 42ª Mostra pela capacidade de apresentar, sem panfletagens, como a brutalidade política pode afetar a vida de uma garota que começa a descobrir o mundo.

Nascida no Rio de Janeiro, a adolescente Joana (Jeanne Boudier) vive em Paris entre amigas, livros e músicas. Quando a anistia é decretada no Brasil, sua família resolve voltar ao país, o que a deixa indignada. Depois da mudança, Joana toma contato com histórias do seu pai, morto anos antes pelos agentes da ditadura militar.

A cineasta retrata com lucidez os obstáculos habituais da adolescência, que se somam à estranheza do país novo e, principalmente, ao trágico destino familiar.

Depois de se destacar com o documentário “Diário de uma Busca” (2010), Flavia Castro faz uma grande estreia na ficção com “Deslembro”, um filme que recolhe memórias obscuras do nosso passado recente para iluminar o presente.

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais