Favorito ao Oscar de filme estrangeiro, 'Roma' será exibido no encerramento da Mostra

Longa mexicano aborda abismo social a partir de relação de empregada indígena com patrões brancos

Guilherme Genestreti
São Paulo

Não é exagero dizer que “Roma” é candidato a obra mais imperdível da 42ª Mostra. Embora seja uma produção da Netflix, que estará na grade da plataforma em dezembro, é um filme para se ver no cinema, ambiente para o qual sua rica fotografia em preto e branco foi pensada. E será apenas uma chance, na sessão de encerramento.

Mais talentoso entre os diretores mexicanos que conquistaram Hollywood, Alfonso Cuarón é também o dono da filmografia mais consistente e o mais fiel às raízes.

"Roma” é o seu auge, o que não é pouca coisa, considerando que o cineasta legou pérolas como “E Sua Mãe Também” (2001) e o subestimado “Filhos da Esperança” (2006).

A trama do novo filme, ganhador do Leão de Ouro no Festival de Veneza, acompanha a relação de uma empregada de origem indígena com os seus patrões brancos, uma família de classe média-alta, na capital mexicana nos anos 1970. Brasileiros vão entender bem todas as sutilezas daquele abismo social. Em determinado momento, a moça engravida, e tudo chacoalha naquele universo.

Após causar furor nos festivais, “Roma” é aposta certa entre os indicados ao Oscar de filme estrangeiro (pelo México) e já é tido como favorito para abocanhar a estatueta.


Veja sala e horário.

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais