Descrição de chapéu Crítica
Restaurantes

Com influências sulistas, restaurante Charco explora o calor em estado bruto

A casa tem o mérito, ainda, de tratar a confeitaria com o mesmo esmero

Luiza Fecarotta
São Paulo

Charco

  • Quando Seg. a qui.: 19h às 24h. Sex.: 19h à 1h. Sáb.: 12h às 15h e 19h à 1h.
  • Onde R. Peixoto Gomide, 1.492, Jardim Paulista, região oeste, tel. 3063-0360. 40 lugares

Nem tornou-se um balzaquiano e o gaúcho Tuca Mezzono, 27, já demonstra maturidade em seu Charco, que acaba de abrir nos Jardins. Ocupa um sobrado de ares rústicos a dialogar intimamente com a cozinha.

Surge explícito um trato estreito com o fogo não só no discurso do chef mas também no sabor que ele dá aos pratos. Mezzono, ex-D.O.M. e Nino, explora o calor em estado bruto.

Assa tubérculos em contato direto com a brasa; acomoda elementos mais delicados, como camarões e alguns vegetais, numa grelha japonesa, na qual se obtém crosta tostada e interior íntegro rapidamente. As carnes permanecem um tempo mais estendido sobre uma parrilla, de modo que a gordura derrete e penetra nas peças, uma beleza.

Um forno combinado, abastecido com lenha, enriquece preparos com traços intensos de defumado. Eis a costela, corte tradicionalíssimo do Sul (R$ 74), carnuda, untuosa, com superfície deliciosamente crocante.

Ainda que o Charco faça homenagem à cultura sulista, e dela tome emprestadas referências centrais, não se apega às tradições. Pratica uma cozinha mais técnica e menos gordurosa em um cardápio curto e plural, capaz de acolher vegetarianos e veganos.

É de veia espanhola o arroz pegado de polvo (R$ 69), que também reverencia o litoral catarinense. O molusco mantém suas fibras atraentes e um tostado sedutor, mas o arroz queima excessivamente na base —e traz amargor ao conjunto.

A pescada amarela feita na brasa, porém, tem cocção exemplar, pele crocante, interior úmido. Chega à mesa em equilíbrio com berinjela defumada, coalhada e farofa de brioche (R$ 74).

A casa tem o mérito, ainda, de tratar a confeitaria com o mesmo esmero, nas mãos da sócia Nathalia Gonçalves. De mesma origem, ela também explora elementos sulistas, como na sobremesa que celebra o butiá, um coquinho alaranjado de polpa untuosa e sabor delicadamente ácido, típico do Sul (R$ 24).

A cena, pois, sugere a construção de um caminho consistente, firmado em bases sólidas —acompanhemos.

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais