Descrição de chapéu música
Noite

Cena drag queen sai do underground, domina baladas e conquista novos públicos

Drag queens protagonizam festas, shows, filmes e outras atrações; confira roteiro

Pabllo Vittar durante show no Cine Joia, em São Paulo

Pabllo Vittar durante show no Cine Joia, em São Paulo Jardiel Carvalho/Folhapress

-
Laura Lewer Leonardo Sanchez
São Paulo

​Na década de 1970, a icônica Divine já dava pinta em Hollywood. Vinte anos depois, o documentário “Paris Is Burning” (1990) jogava luz nas rainhas da noite nova-iorquina dos anos 1980. Por aqui, a relevância da cena drag queen também não chega a ser novidade: apesar de Pabllo Vittar, 24, e Gloria Groove, 23, terem alcançado o mainstream recentemente (ambas somam 4,5 milhões de ouvintes mensais na plataforma de streaming Spotify), nomes como Silvetty Montilla e Marcia Pantera brilham  —literalmente— há anos nas baladas.

“A cena drag sempre existiu, mas era diferente: antes era ligada à música eletrônica e hoje está mais relacionada ao pop”, explica Sérgio Oliveira, produtor da Priscilla. A festa traz a São Paulo ex-participantes do reality show americano RuPaul’s Drag Race e, desde sua criação, em 2014, já vendeu mais de 75 mil ingressos.

Para a paulistana Gloria Groove, a associação da cena com a cultura pop e o boom que ela desencadeou eram mesmo inevitáveis. “É importante reparar o quanto a cultura drag sempre foi fomentada pelo pop, o quanto nós fomos influenciadas pelas divas, sendo covers oficiais de algumas delas. Era só uma questão de tempo até que as drags se tornassem um dos pilares da cultura pop porque esse potencial e talento sempre existiram”, diz.

Ela aponta que a trajetória de RuPaul e seu programa, prestes a completar dez anos no ar, também serviram de incentivos para o movimento. “O trabalho dela vem sendo magnificamente construído desde os anos 1980 e isso se choca com um novo tempo em que as drag queens têm muito acesso à informação”, afirma.

Maior nome da cena do país, Pabllo Vittar destaca a desconstrução promovida pelo reality de competição. “Antigamente a cena estava caracterizada no underground, nas pequenas baladas. Com o programa, eu e outras meninas começamos a nos montar para sair na noite e as pessoas descobriram que nós somos muito mais do que apenas aquela coisa caricata —que eu amo. Mas elas puderam ver que drags também cantam, desfilam, atuam. Era de se esperar que essa bolha fosse rompida.”

Apesar da inegável influência estrangeira na cena nacional, Pabllo e Gloria são exemplos de artistas que mantêm fortes raízes brasileiras em sua música e estética —a primeira com elementos que absorveu em sua infância no Maranhão e no Pará, como o tecnobrega e o forró, e a segunda com o rap e letras de cunho social, heranças de sua criação na zona leste paulista. “Isso vem muito da minha identidade, de onde eu morei, por onde passei. Sempre quero trazer isso para as minhas músicas, letras e performances”, conta Pabllo.

A performer Marcia Pantera em cena do filme "Inferno", da artista israelense Yael Bartana
A performer Marcia Pantera em cena do filme "Inferno", da artista israelense Yael Bartana - Reprodução

Representatividade

Se antes Gloria e Pabllo se inspiravam em figuras como Montilla, Pantera e RuPaul, agora foram alçadas à linha de frente do cenário musical brasileiro, tornando-se ícones de representatividade ao lado de colegas que continuam com o trabalho na cena noturna, caso de Ikaro Kadoshi, Alexia Twister, Tiffany Bradshaw e uma lista de nomes que continua aumentando  com a força do movimento.

“O nosso papel é de trazer alegria e resistência, mostrar para as pessoas que a gente pode ser o que é independentemente do que vão pensar. Mostrar para aquele gay lá do interior que ele pode sair de lá e conquistar seus sonhos sem medo”, afirma Pabllo.

“É muito forte pensar no tamanho da importância disso na vida das pessoas. Isso de olhar para alguém e falar ‘caramba, como eu esperei por alguém que falasse sobre a minha vida e estivesse ali ocupando esse espaço e me representando”, acrescenta Gloria. “O que eu acho mais legal da arte drag é o quanto ela consegue ser fluida, mexer com diversas linguagens. Representa ser tudo o que você imaginar."

Pegando carona na popularidade da cena, o Guia reuniu festas, shows, filmes e outras atrações do universo drag, mas destinadas a todos os públicos. Então vai!

 

 

BALADAS

SEXTA, DIA 9

Bloco Sai, Hétero
O bloco de Carnaval afrontoso criado para combater a homofobia faz edição gratuita com muito funk, pop, brasilidades e músicas de divas sob o comando da DJ Milky Ruta e da drag queen Paola Cadillac.
MECASpot - R. Artur de Azevedo, 499, Cerqueira César, tel. 2538-3516. 200 pessoas. A partir das 20h. Livre. GRÁTIS  

SÁBADO, DIA 10

Blue Night e Matinê da Blue
A clássica casa LGBT é palco de performances das queens Kimberlly Bay, Leyllah Diva Black, Halessia, Valenttini Drag, Michelly Summer, Thalia Bombinha e a imperdível Silvetty Montilla, uma das mais conhecidas da cena brasileira e dubladora da personagem Vedette na nova série de animação da Netflix, “Super Drags”, que estreia na sexta (9). No sábado , a pista regada a tribal e house é comandada pelos DJs Shine e Carlos Fell, e, no domingo, Herbert Tonn e Paulo Agulhari assumem a seleção musical.
Blue Space - R. Brig. Galvão, 723, Barra Funda, tel. 3666-1616. 1.000 pessoas. Sáb. (10), a partir das 23h. 420 min. Dom. (11), a partir das 20h. 330 min. 18 anos. Ingr. ou cons. mín.: R$ 35 a R$ 80. Há desc. c/ nome na lista p/ facebook.com/bluespacesp. 

As queens Silvetty Montilla, Pabllo Vittar e Suzy Brasil, que dublam a nova série de animação da Netflix "Super Drags"
As queens Silvetty Montilla, Pabllo Vittar e Suzy Brasil, que dublam a nova série de animação da Netflix "Super Drags" - Alexandre Schneider/Divulgação

Festa Odara Brasil
Dedicada a resgatar hits do pop, funk, sertanejo, reggaeton, MPB e forró, a noite de uma das casas voltadas para o público queer mais antigas de São Paulo conta com sete DJs divididos em três pistas de dança simultâneas. As queens Stripperella Uber, Hallesia e Valenttini Drag são as atrações.
Tunnel - R. dos Ingleses, 355, Morro dos Ingleses, região central, tel. 3285-0246. 400 pessoas. A partir das 23h. 420 min. 18 anos. Há desconto c/ nome na lista p/ tunnel.com.br. Estac. R$ 25. Ingr.: R$ 10 a R$ 60.

Hopi Pride Festival
O evento que celebra o orgulho LGBT no parque de diversões Hopi Hari terá 15 horas de duração, três palcos espalhados por regiões temáticas do espaço, todos os brinquedos abertos até as 2h e um lineup de peso: apresentam-se Pabllo Vittar e Gloria Groove, as cantoras Wanessa Camargo e Francinne, os blocos carnavalescos Domingo Ela Não Vai, Minhoqueens e Meu Santo É Pop e a festa Batekoo. A noite fica completa com DJs como Sérgio Oliveira, Jully Beats e Judy Rainbow comandando os palcos eletrônico e pop.
Hopi Hari - Rod. dos Bandeirantes, km 72, Moinho, Vinhedo, tel. 4210-4000. 15.000 pessoas. A partir das 16h. 18 anos. Ingr. p/ hopihari.com.br. Estac. R$ 40. Ingr.: R$ 119,90 a R$ 350.  

 
Katwalk
Inteiramente dedicada à arte drag, a festa faz edição inspirada na resistência queer com rainhas de todo o Brasil exibindo seus looks na passarela e concorrendo à faixa de melhor do mês, no melhor estilo RuPaul’s Drag Race. Divididos em três pistas, Ricardo Motta, Alessandro Kalero, Armando Saullo e Amy Candy fazem a seleção musical que passa pelo pop e EDM. Agatha LeBlanc e Leyllah Diva Black são as responsáveis pelas performances da noite.
Bubu Lounge - R. dos Pinheiros, 791, Pinheiros, região oeste, tel. 3081-9659. 900 pessoas. A partir das 23h59. 18 anos. Há desconto c/ nome na lista p/ site. Ingr.: R$ 20 a R$ 60.  
 
Maiszona
A noite open bar é marcada pela música pop, funk e hits e tem performance da drag Mikaella Pitt inspirada na Rainha Vermelha, do livro “Alice no País das Maravilhas”, símbolo do clube Aloka.
Aloka - R. Frei Caneca, 916, Consolação, região central, tel. 94540-9699. 520 pessoas. A partir das 23h. 18 anos. Ingr. ou cons. mín.: R$ 30 a R$ 50. Há desc. c/ nome na lista p/ contato@alokaclub.com.br. 

 QUARTA, DIA 14

Joys Party Tropical
A festa celebra o clima tropical brasileiro com sets de 15 DJs de música eletrônica, incluindo a queen Myllena Vox. As dançarinas drags Rayca Vittar e Byonda Pride estão entre as performers do evento.
Cantho Club - Lgo. do Arouche, 32, República, tel. 3362-1530. 800 pessoas. A partir das 23h59. 18 anos. Ingr. ou cons. mín.: R$ 30 a R$ 70. Há desc. c/ nome na lista p/ cantho.com.br.  

RuPaul e elenco aceitam o Emmy de melhor reality show de competição na 70ª edição da premiação, em 2018
RuPaul e elenco aceitam o Emmy de melhor reality show de competição na 70ª edição da premiação, em 2018 - AFP

 

 

PREPARE-SE

Batekoo e Lia Clark
A festa de black music terá show da drag responsável por sucessos como “Trava Trava” e “Clark Boom”.
Tropical Butantã - Av. Valdemar Ferreira, 93, Butantã, tel. 3031-0393. 2.500 pessoas. Sex. (16/11), a partir das 23h. 360 min. 18 anos. Ingr.: R$ 10 a R$ 30. Ingr. p/ eventbrite.com.br. 

Drag Lindas
Recheada de performances, batalhas de dublagem e música pop, a quinta edição da festa elege uma drag para ficar com a coroa de melhor performer da noite.
Club Hotel Cambridge - Bar d’Hotel - R. João Adolfo, 35, Centro, região central, tel. 3101-2537. 350 lugares. Sáb. (24/11), a partir das 23h59. 18 anos. Ingr.: a definir. Valet R$ 25.  

Lia Clark fará show em festa com a Batekoo
Lia Clark fará show em festa com a Batekoo - Divulgação

Fêjão: Arte Drag Resiste
Os DJs Sasha Vilela, Buba Kore e Alice des Palmes comandam os sets que vão de Dua Lipa a Tati Quebra Barraco. Quinze drags se apresentam na noite.
Plu-Bar - R. Araújo, 155, República, tel. 97189-9061. 350 pessoas. Dom. (18/11), a partir das 22h. 18 anos. Ingr.: R$ 20. 

 

Gloria Groove
A queen paulistana faz show de seu álbum “O Proceder” (2017) e canta hits como “Bumbum de Ouro”, “Império” e “Gloriosa”. Um lineup de DJs completa a noite com sets dançantes.
Club Yacht - R. Treze de Maio, 703, Bela Vista, região central, tel. 3231-3705. 500 pessoas. Seg. (19/11), a partir das 23h30. 18 anos. Ingr.: R$ 40 a R$ 60. Ingr. p/ sympla.com.  

Ménage à Trois
As festas Next Station, Open Bitch e Bapho se unem em um open bar coletivo com duas pistas de música. Jenny Bloom e convidadas performam no evento.
Fabrique - R. Barra Funda, 1.071, Barra Funda, região central, s/ tel. 990 pessoas. Seg. (19/11), a partir das 23h. 18 anos. Ingr.: R$ 50 a R$ 100. Ingr. p/ sympla.com.br.  

A drag americana Tatianna, que se apresenta em dezembro na Priscilla
A drag americana Tatianna, que se apresenta em dezembro na Priscilla - Kaique Talles/Divulgação

 Priscilla com Tatianna
Conhecida por trazer drags idolatradas pelos fãs do programa “RuPaul’s Drag Race”, a balada convida Tatianna, que participou de duas temporadas do reality. Para a última edição do ano, promete o maior lineup de drags nacionais de sua história.
Blue Space - R. Brig. Galvão, 723, Barra Funda, região central, tel. 3666-1616. 1.000 pessoas. Sex. (7/12), a partir das 23h. 18 anos. Ingr.: R$ 45 a R$ 150. Ingr. p/ sympla.com.br.

Queens São Paulo
O concurso de drags carioca desembarca novamente na capital paulista com as performances especiais de Athena Leto, Lady Lazzarus e Seekly e DJs.
Zig - R. Álvaro de Carvalho, 190, Centro. Seg. (19/11), a partir das 23h59. 18 anos. Ingr.: R$ 25 a R$ 40 p/ sympla.com.br.  

 

MIX BRASIL

Um dos principais eventos dedicados à diversidade sexual e de gênero do país, o Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade chega à 26ª edição nesta quinta (15). Até 25/11, o evento reúne filmes, peças, shows, oficinas, palestras e games sobre a cultura queer com entrada gratuita. Confira abaixo alguns dos destaques da programação relacionados à cena drag.
Confira a programação completa em mixbrasil.org.br

 CINEMA

Femme
Depois de levar um fora por ser afeminado, um rapaz gay embarca em uma busca por amor e autoaceitação, guiado por uma fada madrinha drag queen.
CCSP - R. Vergueiro, 1.000, Paraíso, região sul. Sáb. (17) e qua. (21): 17h30. 18 anos.

Do Lado Dillah
Expoente da cena drag, Dillah Dilluz conta as dificuldades de conseguir trabalho e de ser aceita pela própria família depois de 25 anos de carreira.
CCSP. Dom. (18) e ter. (20): 17h. 14 anos.

Linda de Morrer
Uma travesti descobre que pode falar com os mortos quando precisa preparar o corpo de uma drag queen que era sua amiga de infância, mas que não via há anos.
CCSP. Dom. (18): 15h. Sáb. (24): 19h30. 12 anos.

Paraíso Perdido
O drama nacional tem como pano de fundo uma boate na qual se apresentam os membros de uma mesma família. A estrela da casa é Imã, drag queen que se envolve com um rapaz em conflito com sua sexualidade.
Spcine Olido - Av. São João, 473, Centro. Qui. (15): 17h. 14 anos.

Tucked 
Após descobrir que tem poucas semanas de vida, uma drag queen veterana é encarregada de auxiliar um jovem que está começando a carreira de performer. Sem família ou amigos de verdade, ela cria uma relação afetuosa com o aprendiz.
CCSP. Qui. (15) e qua. (21): 19h. 16 anos.

DEBATE

Babado! Drag Virou Mercado
Parte da Conferência Mix Brasil, que debate política, economia, identidade, saúde e feminismo, a mesa propõe uma discussão sobre o mercado drag.
CCSP. Qui. (22): 18h30. 14 anos.

SHOW

Mix Music - Novos Talentos Drag
Entre as três categorias do tradicional concurso de talentos está a de melhor nova drag queen, na qual dez participantes disputam a coroa.
CCSP. Dom. (18): 16h. Livre.

 

+ DRAGS

CINEMA

Abrindo o Armário
O documentário apresenta a luta por direitos da comunidade LGBT no Brasil a partir de entrevistas com gays, trans e drag queens, que se alternam com performances.

Nasce uma Estrela
Apesar de Lady Gaga e Bradley Cooper serem as estrelas, dois participantes do reality show RuPaul’s Drag Race fazem uma ponta no filme. Na trama, a personagem de Gaga canta em um bar LGBT cuja dona é interpretada pela drag queen Shangela Laquifa Wadley. Além disso, uma de suas amigas é ninguém menos que Willam Belli.

OFICINA

Fotografia Drag
Criador da drag queen Betina Polaroid, Beto Pêgo dá aula de fotografia em duas datas. 
Nela, os inscritos aprendem noções de iluminação e tratamento de imagens, além de conhecer sua atuação na cena drag —na frente e atrás das câmeras.
Sesc Avenida Paulista - Av. Paulista, 119, Bela Vista, região central, tel. 3170-0800. 15 vagas. Sáb. (10) e dom. (11): 10h30 às 17h30. 16 anos. É necessário fazer inscrição p/ sescsp.org.br. Grátis.

PALESTRA

Movimentos LGBTQIs no Brasil
A presidente da Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, Claudia Garcia, o antropólogo Luiz Mott e o escritor e cineasta João Silvério Trevisan participam do bate-papo, com mediação do ativista Renan Quinalha. Nele, discutem as conquistas do movimento LGBT no Brasil e o que pode ser feito para ampliar os direitos dessa população.
Sesc Santana - deque do jardim - Av. Luiz Dumont Villares, 579, Santana, região norte, tel. 2971-8700. Sáb. (10): 16h às 18h. 120 min. Livre. Estac. a partir de R$ 5,50. Grátis.

TEATRO

As Bunytas do Rádio
Mistura de bar e espaço cultural, o Cabaret da Cecília costuma receber performances de drags e, nesta quarta (14), é palco do espetáculo musical “As Bunytas do Rádio”. Protagonizada pelas queens Jhenny, Mercedez Vulcão e Thelores, a peça recria a era de ouro da rádio brasileira ao falar das radionovelas, dos programas de auditório e das grandes divas da época. Canções de artistas como Dolores Duran, Dalva de Oliveira e Inesita Barroso servem de pretexto para o trio de drags divagar sobre o significado do amor.
Cabaret da Cecília - R. Fortunato, 35, Vila Buarque, região central, tel. 98489-8228. 80 lugares. Qua. (14): 21h. 18 anos. Ingr.: contribuição voluntária.  

 

PARA SACUDIR O PICUMÃ

Prepare-se para as festas deste roteiro escutando uma playlist babadeira com diversos hinos drag:

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais