Descrição de chapéu alimentação
Restaurantes

Restaurante Atto é inaugurado na antiga casa de Cacilda Becker em SP

Novo endereço, no Itaim Bibi, tem cozinha moderna e ambiente que remete ao universo do teatro

São Paulo

Conhecido pelos prédios corporativos e pelos restaurantes badalados, o bairro paulistano do Itaim Bibi guarda um casarão que parece lutar contra o tempo, com portão baixo de pedras e gradeado de ferro. Mais do que um imóvel antigo resistente à especulação imobiliária na cidade, foi naquela casa que morou Cacilda Becker, a grande dama do teatro brasileiro.

"Hoje eu estou hospedada na casa dela", diz a chef Luiza Hoffman, que atualmente ocupa o endereço na zona oeste de São Paulo com seu novo restaurante, o Atto, aberto no começo de junho. Uma pequena reforma foi feita para abrigar o espaço, mas muito do projeto antigo se manteve —inclusive a enorme jabuticabeira do quintal.

Ambiente do restaurante Atto, que ocupa imóvel que foi residência da atriz Cacilda Becker
Fachada do restaurante Atto, que ocupa imóvel que foi residência da atriz Cacilda Becker - @somosmelli/Divulgação

Mas não é só o nome do empreendimento que remete ao universo teatral: o cardápio e a carta de drinques também têm inspiração no gosto de Cacilda e de seus colegas. Além disso, os visitantes são servidos em um ambiente marcado por obras de arte que lembram a antiga residente do imóvel, que morreu em 1969, aos 48 anos, depois de sofrer um derrame cerebral num dos intervalos de peça "Esperando Godot", na qual fazia o papel principal.

Um dos pratos que acenam ao gosto de Cacilda é o nhoque de milho —feito sem farinha, ele lembra uma pamonha servida em cubinhos dentro de uma fonduta de queijo mascarpone, parmesão crocante e minimilho tostado (R$ 68). O prato, conta Hoffman, também faz um aceno à sua avó. "Ela fazia nhoque de batata com milho quando não tinha batata o suficiente", lembra.

Assinada pela mixologista Talita Simões, a carta de drinques também traz referências à trajetória artística de Cacilda e ao teatro brasileiro. Entre os coquetéis, há o Vestido de Noiva —nome de uma das peças de Nelson Rodrigues, que foi estrelada pela atriz em montagem de 1946. A receita leva vodca de toranja, redução de goiaba, solução cítrica e espumante (R$ 40).

Há ainda uma seção com tipos de gim-tônica, batidinhas, coquetéis sem álcool e de clássicos com um toque especial. O Nicette Mule, por exemplo, é uma versão do moscow mule feita com bourbon no lugar da vodca. Custa R$ 38 e, é claro, dá uma piscadinha à atriz Nicette Bruno, morta em 2020.

Outras referências pessoais de Hoffman completam o menu do Atto, que apresenta receitas e preparos mediterrâneos, asiáticos e brasileiros com uma pegada mais leve e saudável. A chef é formada no Instituto Paul Bocuse, na França, especialista em alimentação macrobiótica e estagiou no restaurante Martin Berasategui, em San Sebastián, na Espanha, que tem três estrelas no guia Michelin.

Essas influências aparecem em receitas como a manteiga de morango —isso mesmo, de morango—, que Hoffman diz ter sido um presente de Berasategui, e que aparece no couvert junto a um pão azul, feito com jenipapo, e abobrinhas preparadas na brasa (R$ 18).

Outros destaques do cardápio são uma espécie de ceviche feita com lichia (R$ 32) e o camarão ao curry com abacaxi (R$ 98). Mas o menu também traz massas, como a lasanha com almôndegas (R$ 78), além de pratos com carne, caso da fraldinha preparada na cerveja (R$ 82,80).

Durante a semana, o local também serve menu-executivo (de R$ 62 a R$ 78) no horário do almoço, além de abrir à noite, para o jantar. Já de sexta a domingo, funciona sem interrupções para quem quiser estender a refeição com drinques durante o terceiro ato.

Atto

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais