Nova onda de karaokês surge em São Paulo; saiba onde soltar a voz

Após cantar '2 Become 1", hit das Spice Girls, na Choperia Liberdade, dona Sônia não soltou o microfone.

Emendou logo "Bad Romance", sucesso de Lady Gaga. Cada vez que a senhorinha de seus 60 anos arranhava o ar com as unhas, como faz a cantora performática, mais gente ia para a frente do palco.

"Musa!", gritava o público, eufórico. Daí em diante, foi um desfile de cantores amadores, mas a pista não esvaziou mais.

O comportamento é quase protocolar nas casas de karaokê: programa tradicional na cidade, os palcos de aluguel vêm ganhando clima de festa animada –dos novos, que facilitam a cantoria com aplicativos, YouTube ou banda, aos clássicos da Liberdade.

Há vários motivos para a nova onda de sucesso dos karaokês (que, apesar de concentrados na região da rua da Glória, também se espalham por outros bairros): agradam a quem cansou do carão das baladas tradicionais e quer se divertir sem fazer pose, têm pegada kitsch, ficam abertos até altas horas e, não menos importante, servem cerveja barata.

Deixe a vergonha de lado e explore o roteiro do "Guia" com 16 karaokês, divididos por perfil, e dicas para garantir seus três minutos de fama num dos disputados palcos.


NOVIDADES

São Paulo, SP, Brasil, 22-01-2017: Karaokês Guia Folha. Arte e Pizza - R. Nestor Pestana, 237. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)
Ambiente de Arte Pizza, no centro - Gabriel Cabral/Folhapress

ARTE PIZZA
O karaokê e pizzaria abriu em março de 2016 num imóvel na rua Nestor Pestana, no centro, onde antes funcionou um bordel –cadeiras com estampa de oncinha e luzes vermelhas do corredor de entrada remetem ao antigo estabelecimento. No salão, há mesas e um palco com cortina vermelha. Até as 22h, é possível cantar, beber e comer pizza com tranquilidade (o pedaço sai por R$ 12; a cerveja de 600 ml custa R$ 15). Na madrugada, o lugar vira uma festa majoritariamente frequentada por moderninhos. 

Preço para cantar: grátis, mas é necessário consumir

Sala individual: não tem  

Dica: chegue às 19h30 para garantir mesa, pois a casa não faz reserva

R. Nestor Pestana, 237, Consolação, região central, tel. 95322-3991. 95 lugares. Ter. a sáb.: 19h30 às 4h. Saiba mais.

Mulher solta a voz no Graffiti Videoke Bar *** ****
Dupla solta a voz no Graffiti Videoke Bar - Divulgação

GRAFFITI VIDEOKE BAR 
Abriu as portas em junho passado, três meses depois do Arte Pizza, fazendo concorrência ao quase vizinho. Praticamente o mesmo público circula entre as duas casas, mas há diferenças entre elas: aqui, paga-se R$ 10 para cantar e a cerveja (600 ml) custa R$ 9,90. Nos intervalos entre as sessões de cantorias, um DJ toca estilos variados e o ambiente escurinho e grafitado ganha mais clima de balada. Para comer, há espetos e porções: a de fritas com cheddar e bacon, a mais pedida, sai por R$ 18,90.

Preço para cantar: grátis, mas a entrada é R$ 10

Sala individual: não tem

Dica: vá de seg. a qua., no sábado pode levar até 2h30 para cantar

R. Nestor Pestana, 255, República, região central, tel. 94335-1699. 260 pessoas. Seg. a sáb.: 11h às 4h. Dom.: 17h às 24h. Saiba mais.

HOUSE OF BUBBLES
Parte da House of All, rede de espaços compartilhados em Pinheiros, o espaço promove um karaokê, às quintas, desde julho passado. Com clima de amigos numa sala de estar, são os próprios clientes (a maioria mulheres jovens) que escolhem e controlam a ordem das músicas por meio de um aplicativo. Para beber, há um inusitado gim-tônica que sai direto de uma chopeira (R$ 15). O menu também tem cerveja artesanal (R$ 25) e chope Heineken (R$ 10).

Preço para cantar: grátis

Sala individual: não tem

Dica: chef diferente prepara receitas a cada vez; o custo médio do prato é de R$ 25

R. Dr. Virgílio de Carvalho Pinto, 47, Pinheiros, região oeste, tel. 2366-4287. 150 pessoas. Qui.: 10h às 23h. 

IZAKAYA KARAOKÊ DANCING 
Funciona há quatro meses numa casa escondidinha ao lado da Choperia Liberdade, no centro. Não se confunda: subindo a escada, vire à esquerda (à direita fica um outro karaokê, bem pequeno). Paga-se R$ 25 para entrar, com direito a cantar à vontade e a comer um prato da culinária japonesa que varia todos os dias. O salão é amplo e permite dançar. Apesar de ser frequentado predominantemente por orientais, o menu musical também oferece canções nacionais e norte-americanas.

Preço para cantar: R$ 25 + jantar

Sala individual: não tem

Dica: é um karaokê mais tranquilo, bom para casais

R. da Glória, 515, 1º andar, Liberdade, região central, tel. 94757-0917. 100 pessoas. Seg., ter. e dom.: 18h às 24h. Qui. a sáb.: 18h às 4h. Saiba mais.

Amigos no Yellow K, na Vila Nova Conceição *** ****
Amigos no Yellow K, na Vila Nova Conceição - Divulgação

YELLOW K
A casa, que ficou na alameda Lorena por quase 20 anos, mudou para a região do Itaim em 2016. Aqui, os catálogos de músicas são substituídos por um aplicativo que pode ser acessado por meio de QR code. Atualizada diariamente, a plataforma permite cantar hits do momento de todos os idiomas. Há um lounge com bar e microfone coletivo (duas músicas custam R$ 5) e três salas individuais que podem ser reservadas (R$ 500 a R$ 700 por noite). Para comer há porções e hambúrgueres, com preços que variam de R$ 9 a R$ 30. Costuma ser frequentado por executivos da região.

Preço para cantar: R$ 5 (2 músicas)

Sala individual: três espaços

Dica ousada: escolha a sala individual com pole dance

R. Prof. Atílio Innocenti, 43, Vila Nova Conceição, tel. 3168-1565. 280 pessoas. Ter. a qui.: a partir das 18h. Sex.: a partir das 18h. Sáb.: a partir das 20h. 18 anos. Consumação mínima: R$ 45 a R$ 70. Saiba mais.


CLÁSSICOS DO CENTRO

Público no Coconut, na Vila Buarque *** ****
Público no Coconut, na Vila Buarque - Divulgação

COCONUT
Parte da rede Biroska, comandada pela empresária e "rainha da noite" Lilian Gonçalves, a casa chegou à Vila Buarque em 2007. Tem 16 salas que podem ser compartilhadas por grupos de amigos –aos fins de semana, todas ficam lotadas; às sextas e sábados, uma média de 1.500 pessoas frequentam o karaokê. Nelas, um atendente marca os pedidos e organiza a ordem das canções. A maior, chamada Hebe Camargo, tem cerca de 340 mil músicas à disposição.

Preço para cantar: paga-se somente a entrada na casa, R$ 10 (seg. a qui.) e R$ 20 (sex. e sáb.); aos domingos é grátis

Sala individual: não há, mas os grupos dividem salas menores

Dica: vá de domingo a quinta; às sextas e sábados, a fila para pagar é demorada

R. Canuto do Val, 41, Vila Buarque, tel. 3224-0586. 1.000 lugares. Seg. a dom.: a partir das 18h. CC: todos. Valet R$ 25. Saiba mais.

Fachada do Siga La Vaca *** ****
Fachada do Siga La Vaca - Divulgação

SIGA LA VACA
A casa, dos mesmos donos e na mesma rua, abriu dois anos antes do Coconut, em 2005. Apesar de funcionar nos moldes do karaokê vizinho, é menor: tem três salas, cada uma delas com 25 mil músicas. Há quem opte por bebericar e assistir às performances em vez de cantar (a cerveja de 600 ml sai por R$ 9,99). Sanduíches, porções e espetinhos são parte do menu, assim como o carro-chefe, uma batata gratinada recheada de queijo (R$ 36).

Preço para cantar: paga-se somente a entrada na casa, R$ 10 (seg. a qui.) e R$ 20 (sex. e sáb.); aos domingos é grátis

Sala individual: não há, mas os grupos dividem salas menores

Dica: vá de domingo a quinta; às sextas e sábados, a fila para pagar é demorada

R. Canuto do Val, 97, Vila Buarque, região central, tel. 3224-0586. 350 lugares. Seg. a dom.: 18h às 4h. Saiba mais.


JEITÃO DE BOTECO

BELAS ARTES
O boteco adotou o nome do cinema em frente, o Caixa Belas Artes, na rua da Consolação. A estrutura para cantar é bastante improvisada, com uma televisão e um microfone sem fio nos fundos do salão, mas vale como diversão de fim de noite com pessoas espalhadas pela calçada. A cerveja de 600 ml sai por R$ 9, o litrão por R$ 10.

Preço para cantar: R$ 2,50 por música

Sala individual: não há

Dica: para quem não é chegado em luxo ou conforto

R. da Consolação, 2.390, Consolação, região central, tel. 4323-5372. 78 lugares. Seg. a sáb.: 6h às 3h. Dom.: 6h à 1h. Saiba mais.

Palco do Vivos Bar, no Sumaré *** ****
Palco do Vivos Bar, no Sumaré - Gabriel Cabral/Folhapress

VIVOS BAR
Apesar de não ter o clima kitsch de karaokê (as mesas de madeira no salão amplo lembram um restaurante tradicional), o local ficou famoso entre os jovens da região pelo preço da cerveja (R$ 10 a garrafa de 600 ml). A casa não cobra por música cantada, mas é preciso consumir pelo menos R$ 20 para usar o microfone.

Preço para cantar: grátis, mas é preciso consumir

Sala individual: não tem

Dica: melhor reservar, é difícil conseguir mesa –especialmente nos fins de semana

Av. Dr. Arnaldo, 1.215, Sumaré, região central, tel. 2305-5406. 100 lugares. Seg. a sáb.: 7h às 3h. Dom.: 17h às 3h. Saiba mais.


DIFERENTÕES

Cliente se apresenta com a banda do B Music Bar *** ****
Cliente se apresenta com a banda do B Music Bar - Divulgação

B MUSIC BAR
A casa de shows promove uma noite mensal de karaokê com banda –o evento costuma ser no último sábado do mês, mas, por causa do Carnaval, o próximo será em 3/3. Funciona assim: o cliente escolhe uma das músicas que está no set list da banda (que tem de 35 a 40 canções de pop/rock nacional e internacional). Uma funcionária mostra as opções disponíveis em um tablet. Se a música já foi tocada, não pode ser repetida. Os "cantores" são chamados pela ordem dos pedidos.

Preço para cantar: não paga, e quem canta ganha uma caipirinha

Sala individual: não tem

Dica: se você se enrolar com a letra, os "backing vocals" ajudam

R. dos Pinheiros, 518, Pinheiros, região oeste, tel. 3873-7741. 150 lugares. Qui. a sáb.: 20h às 2h. Saiba mais.

Palco do Terraço Club *** ****
Palco do Terraço Club - Ivan Falcon/Divulgação

TERRAÇO CLUB
A graça desse karaokê, que funciona desde 2013 na rua Frei Caneca, é que as músicas são reproduzidas diretamente do YouTube. Ou seja, dá para cantar qualquer canção cuja versão instrumental esteja disponível no site. O fluxo é ágil: uma pessoa espera cerca de 5 minutos para subir no palco. Fritas com cheddar e bacon (R$ 35) e espetinhos (R$ 6) são opções do menu. A cerveja de 600 ml sai por R$ 8.

Preço para cantar: R$ 10 a entrada (canta-se à vontade)

Sala individual: não tem

Dica: quinta-feira é o dia mais animado para cantar

R. Frei Caneca, 914, Consolação, região central, tel. 98506-7675. 400 lugares. Qui. e dom.: 19h às 3h. Sex. e sáb.: 19h às 6h. Ingresso ou consumação mínima: R$ 10. Saiba mais.


TRADICIONAIS DA LIBERDADE

Ambiente da Choperia Liberdade *** ****
Ambiente da Choperia Liberdade - Mariana Marinho/Folhapress

CHOPERIA LIBERDADE
O teto todo iluminado e repleto de balões é o ponto alto da decoração kitsch do karaokê, aberto em 2002. Tem palco –onde há mais luzes– e um telão, no qual o público pode acompanhar a letra das músicas junto ao cantor da vez. O serviço, porém, tem preço: paga-se R$ 15 para entrar, sem consumação, e R$ 2 por música cantada. O salão dos fundos, sem tantos adornos, é reservado para grupos maiores e conta com mesas de sinuca. O menu é variado, com itens da culinária oriental (o temaki de salmão custa R$ 20) e porções diversas (a de queijo de coalho sai por R$ 22). Para beber, há drinques e cervejas (R$ 8 o chope Brahma de 300 ml).

Preço para cantar: R$ 2 por música + R$ 15 de entrada

Sala individual: não

Dica: sente-se próximo ao palco, o local mais animado

R. da Glória, 523, Liberdade, região central, tel. 3207-8783. Ter. a dom.: 19h às 5h. Saiba mais.

Cliente em ação no Samurai *** ****
Cliente em ação no Samurai - Felipe Gabriel/Folhapress

SAMURAI
O salão de cantoria comunitária deste karaokê, aberto em 1969, funciona nos moldes tradicionais: é só escolher a música na pasta (ou em um site, mais atualizado), escrever o número no papel, entregar para o atendente e esperar ser chamado para subir no palco. Não é necessário pagar para cantar, só pela entrada (R$ 10 de seg. a qui. e R$ 15 às sex., sáb., véspera de feriados e feriados). Também oferece sala para grupos de 15 pessoas (R$ 25 a hora de seg. a qui. e R$ 40 a hora de sex. e sáb.), e um espaço diferente, o tatame, para que até 25 pessoas possam se sentar juntas. Comer e beber não é lá muito barato quando se compara à média de outras casas da região: a cerveja de 600 ml sai por R$ 14,90.

Preço para cantar: não tem, só há taxa de entrada (de R$ 10 a R$ 15)

Sala individual: sim

Dica: tenha paciência, a espera para cantar pode ser longa

R. da Glória, 608, Liberdade, região central, tel. 3208-6969. 120 lugares. Seg. e ter.: 19h às 2h. Qua. e qui.: 19h às 3h. Sex. e sáb.: 19h às 4h. Saiba mais.

PORQUE SIM - KARAOKÊ BOX E LAMEN HOUSE 
O restaurante não tem luzes mais baixas e nem decoração típica de karaokê, mas é famoso por servir um bom lámen (típico prato japonês com macarrão e caldo). Grupos que preferem privacidade na hora de cantar costumam frequentar a casa, que só trabalha com salas privativas (de R$ 40 a R$ 80). É preciso fazer reserva para usar o karaokê, caso contrário, no fim de semana, a fila de espera pode ser de mais de uma hora. Verdade que o ambiente não está na lista dos mais bonitos, mas a estrutura para cantar é boa e o repertório musical está atualizado –são mais de 30 mil canções.

Preço para cantar: de R$ 40 a R$ 80 (sala)

Sala individual: sim

Dica: é boa opção para cantar e jantar (mas fecha cedo)

R. Thomaz Gonzaga, 75, Liberdade, região central, tel. 3277-1557. 52 lugares. Seg., ter. e qui.: 12h às 23h. Sex. e sáb.: 12h à 0h. Dom.: 12h às 21h. 18 anos. Saiba mais.

São Paulo, SP, Brasil, 22-01-2017: Karaokês Guia Folha. Tequila's Karaokê - R. da Glória, 543 (foto Gabriel Cabral/Folhapress)
Público no Tequila's, na Liberdade - Gabriel Cabral/Folhapress

TEQUILA'S
Aberto há quase 50 anos, o karaokê viu um aumento no público desde que o reality show "The Voice Brasil" começou a ser exibido na rede Globo em 2012 –cerca de 1.000 pessoas passam pela casa no fim de semana. O lugar tem clima de balada, com luzes azuis e globos espelhados. A seleção musical reúne mais de 75 mil canções, entre nacionais e estrangeiras. Se for em um sábado, prepare-se: apesar do clima divertido, leva-se quase uma hora para cantar a música escolhida. O forte do menu são as porções, como de fritas e de frango à passarinho, que custam de R$ 15 a R$ 30. 

Preço para cantar: grátis, mas há taxa de entrada (R$ 15)

Sala individual: não 

Dica: se pagar em dinheiro, a entrada sai R$ 10

R. da Glória, 543, Liberdade, região central, tel. 3209-8550. 180 lugares. Seg. a sáb.: a partir das 19h. 18 anos. Saiba mais.

KARAOKÊ BOX KAMPAI 
É possível que o karaokê, aberto em 2007, passe despercebido é uma pequena portinha na avenida Liberdade. Os clientes têm que tocar a campainha e subir as escadas para chegar até as cinco salas privativas oferecidas pela casa (elas custam de R$ 45 a R$ 100 por hora). É ideal para reunir grupos de amigos (de dez a 30 pessoas) que querem cantar sem interagir com outros frequentadores. O cardápio lista opções brasileiras e orientais o pastel individual sai por R$ 7. Dá para comprar garrafas de destilados (R$ 52 o saquê mais em conta) e de cervejas (R$ 12 a de 600 ml).

Preço para cantar: de R$ 45 a R$ 100 (sala)

Sala individual: sim

Dica: cantar sem ter reserva é praticamente impossível

Av. Liberdade, 638, Liberdade, região central, tel. 3277-1766. Ter. a qui: 14h às 24h. Sex. e sáb.: 14h às 4h. Dom.: 14h às 22h (não abre no último do mês).


As músicas mais pedidas

1ª - "Evidências", de Chitãozinho & Xororó. Foi citada por todos os karaokês do roteiro

2ª - "Bang", de Anitta. É ouvida cerca de sete vezes por noite no Terraço Club

3ª - "10%", de Maiara & Maraisa. Foi citada por dois karaokês

Dicas para ser o rei do karaokê

– É o lugar ideal para perder a timidez: uma vez no palco, performe

– Escolha músicas animadas ou clássicos nostálgicos

– Se não sabe bem a letra, melhor não arriscar


Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais