Descrição de chapéu Crítica
Restaurantes

Herdeiro do Antiquarius, Il Pescatore carece da mesma precisão na cozinha

Apesar de destacar os pescados no nome, este é um velho e bom restaurante português

São Paulo

Il Pescatore Mediterrâneo

  • Quando Ter. a qui.: 12h às 15h30 e 19h às 23h. Sex.: 12h às 15h e 19h às 23h. Sáb.: 12h às 17h e 19h às 23h30. Dom.: 12h às 17h.
  • Onde R. José Maria Lisboa, 879, Jardim Paulista, região oeste, tel. 3884-5738.

Não se engane pelo nome, nem pelas imagens da fachada. O Il Pescatore, mesmo com a nova alcunha (Il Pescatore del Mediterrâneo), não é uma casa de frutos do mar: é, isto sim, um velho e bom restaurante português de uma antiga estirpe muito conhecida da cidade.

Refiro-me aos endereços que ao longo dos anos ganharam São Paulo a partir de uma bela matriz, a do antigo carioca Antiquarius. E que, além do restaurante homônimo (e igualmente finado) na capital paulista, deixou vários herdeiros, sendo o mais famoso e bem-sucedido deles o ainda ativo A Bela Sintra.

Pois depois de uma carreira não muito afortunada no comando de seus fundadores, o Il Pescatore terminou, desde o mês de agosto, passando às mãos de uma nova turma: ela inclui os chefs Arnaldo Loi (ex-A Bela Sintra) e Luis Pereira Duarte (ex-Antiquarius, do Rio), junto com o sommelier Wanderson Vieira.

Camarões grelhados na casca acompanhados de arroz com brócolis do Il Pescatore Del Mediterrâneo
Camarões grelhados na casca acompanhados de arroz com brócolis do Il Pescatore Del Mediterrâneo - Wellington Nemeth/Divulgação

O novo restaurante não tem exatamente a majestade (nem a precisão gastronômica) daqueles que o antecederam como grife, mas é um lugar simpático para apreciar os bolinhos de bacalhau ou as novidades, como um decente ceviche (R$ 33) ou um polvo à vinagrete (R$ 48) para excitar o paladar.

Eles podem ser sucedidos por um competente bacalhau a Porto Belo (com batatas, cebolas no xerez e ovos cozidos, R$ 155, para duas pessoas), ou uma outra versão, infelizmente mais ressecada, do mesmo peixe (à pescatore, com batatas, azeitonas, ovo cozido e cebola, R$ 88).

Não poderiam faltar outras opções, como o mesmo bacalhau assado ao forno ou empanado, à lagareiro, com batatas ao murro (ambas por R$ 110). Ou, para fazer jus ao nome da casa, pratos de peixe, como arroz de polvo, e até uma moqueca de peixe (ambos por R$ 80), longe de serem atração principal.

As alternativas para o almoço são atraentes, no prato e no bolso —o menu-executivo sai por apenas R$ 39 (entrada e prato principal) e pode incluir o trivial, e farto, picadinho com arroz, feijão, farofa e ovo.

E as sobremesas portuguesas, como de hábito, enchem (até lotam) o paladar de doçura, como a siricaia (um creme de leite com ovos e açúcar, R$ 15).

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais