Descrição de chapéu Crítica
Restaurantes

Com bons pescados, Cais serve cozinha que transita entre bruto e delicado

Novidade em Pinheiros, casa tonifica uma corrente de casas dedicadas a peixes e frutos do mar

 

Cais

  • Quando Seg. e qui. a sáb.: 19h30 às 23h30. Dom.: 13h30 às 16h30
  • Onde R. Fidalga, 314, Pinheiros, região oeste, tel. 3819-6282. 33 lugares
  • Preço $$

A abertura do Cais, em Pinheiros, tonifica uma corrente de casas dedicadas a peixes e frutos do mar, até recentemente inexistente em São Paulo.

Em parte hoje isso é possível porque a oferta da matéria-prima melhorou brutalmente em função da presença de um novo personagem nessa cadeia: fornecedores qualificados, conectados aos pescadores em uma ponta e aos chefs na outra; e atentos a práticas sustentáveis e a rastreabilidade no caminho do mar à cozinha.

Com bons ingredientes em mãos, Adriano de Laurentiis, 28 (ex-Tuju e Corrutela), faz uma cozinha arrojada, que transita entre o bruto e o delicado num menu freneticamente rotativo.

Ao mesmo tempo em que ele parte de receitas óbvias, como a caesar salad (e a ela imprima particularidades que lhe dão força), apresenta ineditismos, como a linguiça de atum. 

Na salada, sobressai a albacora, peixe de carne macia e suave, levemente curado. A alface romana ganha em sabor (tostado) e textura (crocante) ao ir à grelha; e o creme que a besunta exibe alho intenso e um fundo doce típico do molho de peixe tailandês adotado no lugar da anchova (R$ 34). 

Nadadeira de prejereba com purê de abóbora e caldo de frango com picles de maçã verde do restaurante Cais
Nadadeira de prejereba com purê de abóbora e caldo de frango com picles de maçã verde do restaurante Cais - Rodrigo Lins/Divulgação

O embutido, cujo preparo está sob a aba do sócio Guilherme Giraldi, 32 —também responsável pelo salão no qual orquestra equipe afinada em sintonia com o serviço de vinho—, cumpre ainda um propósito de aproveitamento ao combinar aparas e carcaças de atum que geralmente são descartadas a gordura de porco. O resultado preserva a nobreza do sabor do peixe e realça uma untuosidade sedutora. 

Recebe a companhia de um purê de batata rústico, cujo tempero cítrico e a improvável saladinha de salsinha ajudam a equilibrar com o potente demi-glacé de porco (R$ 33).

Alguns pratos carecem da harmonia que prevalece na maior parte das receitas. É uma pancada a nadadeira de vermelho com molho de mostarda e purê de batata-doce (R$ 66). 

A ideia é boa e inovadora —usar a nadadeira, comumente rejeitada. Difícil de preparar, difícil de comer, mas um deleite. Carne colagenosa, com gordura, muito bem tratada na churrasqueira a lenha. 

Ao lambuzá-la com um molho encorpado, rico em creme de leite e mostarda, com rabanete na manteiga noisette, mais intensa e adocicada, porém, o conjunto resulta excessivamente pesado. 

Já a tainha defumada, mais oleosa e gorda, absorve o sabor da lenha sem que sua carne perca suculência e é acomodada em um molho translúcido de maçã, no qual convivem amistosamente doçura e acidez (R$ 54, com legumes viçosos na manteiga).

Na sobremesa, merece atenção o uso intenso do maçarico na torta de queijo com caramelo salgado. Se mais brando, decerto iria proteger e realçar a extrema delicadeza do sorvete de pera que a complementa (R$ 24).

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais