Descrição de chapéu Crítica
Restaurantes

Novo Barú Marisqueria oferece bons produtos do mar em cozinha simples

Despretensiosa, casa do colombiano Dagoberto Torres evoca ambiente litorâneo

JOSIMAR MELO
São Paulo

É bem improvável encontrar uma praia em plena rua Augusta, ainda mais se espremida numa estreita vila que leva a um bistrô francês (o Bistrot de Paris).

Mas é onde agora impera o sabor do mar, com a abertura do Barú Marisquería. Com mesinhas de um azul manso ao ar livre ou de frente para o balcão da cozinha, é ali que o chef labuta em panelinhas ou na grelha sob medida.

Colombiano como a ilha da baía de Cartagena que dá nome ao restaurante, Dagoberto Torres (ex-Suri) recria um ambiente litorâneo —despretensioso e baseado no produto do mar— que é raro em São Paulo, terra de pescados caros e ruins. Ele se apoia em fornecedores ligados diretamente a pescadores que proveem uma matéria-prima que dá gosto.

Ceviche tradicional servido no Barú Marisqueria tem mandioca e canchita (milho tostado)
Ceviche tradicional servido no Barú Marisqueria tem mandioca e canchita (milho tostado) - Rubens Kato/Divulgação

Não sei por que, às vezes tem sal demais. Também não entendi o motivo de uma bela barriga de atum, ao ser levada à chapa, não estar o menos passada possível, ao lado de crocantes vegetais (R$ 50). Mas, detalhes à parte, vale o conjunto da obra do Barú, que tem simplicidade mas também alguma originalidade.

Os ceviches vão do tradicional (R$ 36) a versões como o de atum com chile sobre discos de banana-da-terra fritos (R$ 27), grande achado. Os camarões salteados vêm com molho de ostra de beber de colher (R$ 40), o mesmo valendo para o lambe-lambe (vôngoles, R$ 26) e para a lula salteada com feijão-manteiguinha e chile verde (R$ 40).

Da brasa, de uma churrasqueira desenhada pelo chef, vêm o polvo com chiles secos e vegetais (R$ 36) e a lula inteira com salsa criolla (R$ 38). Para acompanhar, itens como o básico e delicioso purê de mandioca na brasa (R$ 15) ou a surpreendente berinjela com banana-da-terra e coalhada seca. Única sobremesa: pão-de-ló com calda de três leites, abacaxi na brasa e manga, sem exagero de açúcar.

Tudo no cardápio vale a pena dividir na mesa. Descontraidamente, como se estivéssemos na praia. Que mais se pode querer, sabendo que estamos apenas na rua Augusta?

Avaliação: muito bom

R. Augusta, 2.542, lj. 5, Cerqueira César, região oeste, tel. 3062-0898. 29 lugares. Ter. a qui.: 12h às 15h e 19h às 23h. Sex.: 12h às 15h e 19h às 23h30. Sáb.: 13h às 16h30 e 20h às 23h30. Dom.: 13h às 16h30.

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais