Boteco ocupa 28º andar do Farol Santander com farofa de formiga e cachaças

Novo espaço do edifício histórico combina petiscos tradicionais com resgate da cozinha caipira

São Paulo

Mais um espaço para comer e beber observando do alto o mar de concreto paulistano abre as portas no centro da capital a partir de sexta, dia 29.

Abrigado no Farol Santander, o novo Boteco do 28 tem nome literal —tem cardápio de boteco e está no 28º andar do edifício Altino Arantes, o antigo Banespão, no pavimento mais alto aberto para o público no prédio. Ele se junta ao Bar do Cofre, que fica no subsolo do imóvel, e ao café do mirante, que está no 26º andar.

O espaço em si não é, exatamente, uma novidade —o Boteco do 28 foi inaugurado em 2019, com um projeto que levava experiências culinárias assinadas por chefs estrelados ao local, em datas limitadas.

Agora, a empreitada surge com uma proposta mais popular. O objetivo é oferecer um menu com petiscos típicos dos botecos paulistanos, mas que também promovam um resgate histórico da culinária da antiga região conhecida como Paulistânia. O termo ficou mais conhecido no universo gastronômico depois do lançamento do livro "A Culinária Caipira da Paulistânia", em 2018, pelo sociólogo Carlos Alberto Dória e o chef de cozinha Marcelo Corrêa Bastos.

Em um texto para o site São Paulo São, Dória explica que a região da Paulistânia tinha "um contorno que corresponde à antiga capitania de São Paulo, que abrangia São Paulo, Mato Grosso, ia até o Pará no Norte, e no Sul até a região das Missões".

Os sabores dessa culinária que hoje a gente conhece como caipira são fruto do encontro entre ingredientes e costumes indígenas e portugueses, aliados às necessidades de deslocamento por aquele grande território.

"Um exemplo que a gente traz é o içá [a formiga tanajura], que era bem comum aqui em São Paulo e que hoje muitas pessoas não conhecem", afirma Mayra Aguiar, chef da casa. O inseto incrementa uma farofa servida como aperitivo para acompanhar doses de cachaça, que custam a partir de R$ 25.

A farofa de formiga içá pode acompanhar as doses de cachaça do Boteco do 28, no topo do Farol Santander
A farofa de formiga içá pode acompanhar as doses de cachaça do Boteco do 28, no topo do Farol Santander - Tiago Gonçalves/Divulgação

Outros exemplos nessa pegada caipira são os arrozes. Há o caldoso de moela e o vegetariano, com abóbora, milho tostado, maxixe, quiabo e capuchinha. Cada um custa R$ 48.

Entre as opções típicas de boteco, estão petiscos como o bolovo (R$ 16) e o torresmo (R$ 32), por exemplo. Até os clássicos ovos coloridos (R$ 19) aparecem por ali. Para acompanhar, o bar prepara caipirinhas (R$ 25), rabo de galo (R$ 32) e oferece cervejas e doses de cachaça.

A cozinha oferece, ainda, pratos por valores a partir de R$ 29 no almoço. Entre as opções servidas na primeira semana de novembro estão a feijoada e o frango caipira com quiabo, arroz e farofa.

O funcionamento será de terça-feira a domingo, das 11h30 às 20h, e não será necessário comprar ingressos ou realizar reservas para visitar o local.

Boteco do 28

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais