Descrição de chapéu indios arte
Exposições

Mostra 'Vaivém' investiga história e simbologia das redes de dormir

Exposição no CCBB-SP reúne mais de 300 obras sobre o item, do século 16 até hoje

Clara Balbi
São Paulo

As redes de dormir têm uma longa tradição na cultura e na iconografia do país: datam do século 16 algumas das primeiras imagens em que elas aparecem nas Américas. Essa história, assim como o impacto do objeto na formação da identidade brasileira, são abordados em “Vaivém”, exposição que o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) inaugura na quarta (22).

Reunindo mais de 300 obras, de documentos coloniais a performances contemporâneas, a mostra com curadoria de Raphael Fonseca ainda exibe trabalhos de 32 artistas indígenas especialmente comissionados para a exposição, como Arissana Pataxó e Jaider Esbell.

Ocupando cinco andares do centro cultural, ela busca desconstruir o lugar que as redes ocupam no senso comum, associado à preguiça, à vadiagem e à tropicalidade.

Nesse sentido, Fonseca cita obras como a instalação “Cântico Guarani”, de Armando Queiroz, em que redes negras recolhidas pendem do teto do cofre do CCBB, ou “Berço com Crânios”, de Tunga, que pensa a rede como símbolo da morte.

“A rede é sim o lugar do prazer, mas ela é também o berço esplêndido da violência colonial”, afirma o curador.

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais