Descrição de chapéu Cinema
Streaming

Filmes sobre Suzane von Richthofen geram dúvidas e fake news; saiba o que é verdade

'A Menina que Matou os Pais' e 'O Menino que Matou Meus Pais' estreiam no streaming na sexta e retratam o crime ocorrido em 2002

Ribeirão Preto

Suzane von Richthofen está de volta às telas quase duas décadas após ter participado do assassinato dos pais, em um crime que chocou o país —mas, desta vez, não no noticiário, e sim em dois filmes, protagonizados pela ex-BBB Carla Diaz, que estreiam na sexta-feira, dia 24, no Amazon Prime Video.

Os longas estavam previstos para estrear nos cinemas no início do ano passado, mas foram adiados sucessivamente por causa da pandemia até irem direto para o streaming, onde histórias baseadas em crimes reais, conhecidas como "true crimes", ganham cada vez mais força.

Antes de dar o play em "A Menina que Matou os Pais" e "O Menino que Matou Meus Pais", veja tudo o que você precisa saber sobre os longa-metragens, que causaram polêmica e viraram alvo de fake news quando foram anunciados —entre elas, que as produções se beneficiaram da Lei Rouanet e que Richthofen lucraria com os filmes.

Uma história, dois filmes

Num estilo não tão comum no cinema brasileiro, a criminóloga Ilana Casoy e o escritor Raphael Montes, que assinam o roteiro, decidiram dividir a história em duas partes devido às incongruências que encontraram no discurso de Suzane e Daniel Cravinhos no tribunal.

Para mostrar as duas versões da história, a solução encontrada foi produzir dois filmes, com cerca de uma hora e meia cada um. Num deles, por exemplo, Suzane diz ser estuprada constantemente pelo pai, o que seria um de seus motivos para matá-lo. No outro, seu pai nunca praticou qualquer abuso.

Suzane von Richthofen vai lucrar com os filmes?

Não. Os criminosos não tiveram nenhum envolvimento com a produção, e os roteiros foram baseados nos autos do processo criminal.

Suzane chegou a entrar na Justiça para tentar barrar as produções, mas não conseguiu. O Supremo Tribunal Federal rejeitou a tese do direito ao esquecimento.

A produção tampouco contou com financiamento da Lei Rouanet ou de qualquer programa governamental de fomento, como circulou nas redes sociais.

Os filmes glorificam o crime?

Também não. Ao apresentar as reviravoltas e contradições do caso, como num tribunal, é natural que o espectador se sinta na cadeira do juiz e queira fazer um julgamento de quem é mais ou menos culpado.

Nenhuma das versões, porém, inocenta os criminosos. Tanto Suzane quanto Daniel e seu irmão, Christian, foram considerados igualmente culpados pela Justiça, que condenou cada um a quase 40 anos de prisão.

Daniel está em regime aberto, enquanto Suzane está no semiaberto, mas ambos continuam a cumprir suas penas, e os filmes não devem ter impacto no âmbito judicial.

Suzane von Richthofen"
Caso Richthofen ganha filmes com pontos de vista de Suzane e de Daniel Cravinhos - Amazon Prime Video/Divulgação

O que as obras fazem é mostrar quem era o casal antes do assassinasto, um recorte pouco explorado pela imprensa, na tentativa de levar o espectador a refletir sobre o que levou Suzane e os irmãos a cometerem o crime, diz Casoy, a roteirista, que acompanhou o caso da reprodução simulada ao julgamento.

"O recorte do noticiário é muito compacto. Não retrata a vítima nem o acusado, mas o crime em si. A gente não retrata criminosos como monstros. O que eles fizeram foi monstruoso, mas eles não são monstros. Eles são seres humanos", diz Casoy.

"Não estou defendendo ninguém. Só quero saber o que leva estas pessoas a fazerem isso", acrescenta a criminóloga, autora de um livro sobre o crime, o "Casos de Família", da editora Darkside, que também aborda o assassinato de Isabella Nardoni.

'A Menina que Matou os Pais' e 'O Menino que Matou Meus Pais'

  • Quando Estreia no Amazon Prime Video nesta sexta-feira (24)
  • Elenco Carla Diaz, Leonardo Bittencourt
  • Produção Brasil, 2021
  • Direção Maurício Eça

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas

Ver mais